Dívida pública atinge novo recorde em maio acima de 250 mil milhões de euros

Endividamento público subiu em maio pelo segundo mês consecutivo, atingindo um novo máximo de sempre acima dos 250,3 mil milhões de euros, adianta do Banco de Portugal.

A dívida pública portuguesa subiu em maio pelo segundo mês seguido para atingir um novo recorde acima dos 250 mil milhões de euros, de acordo com os dados revelados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal.

Naquele mês, a dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas usar no Procedimento dos Défices Excessivos, situou-se em 250.313 milhões de euros, refletindo um aumento de 300 milhões de euros nos empréstimos relativamente ao final de abril, adianta o supervisor.

O anterior pico da dívida pública pertencia ao mês de agosto do ano passado, quando o endividamento público atingiu os 250.296 milhões de euros, ligeiramente abaixo do atual recorde.

Fonte: Banco de Portugal

Quando subtraídos os ativos de depósitos das administrações públicas, a dívida (líquida) ascendia em maio a 226,3 mil milhões de euros e também nesta ótica há um novo máximo de sempre, segundo as estatísticas públicas pelo Banco de Portugal.

Apesar desta subida, junho deverá trazer uma forte redução do endividamento público, isto por causa do reembolso de 6,6 mil milhões de euros aos investidores realizado no dia 15 do mês passado. Aliás, foi para acomodar este pagamento aos mercados que a República portuguesa aumentou a sua dívida no arranque do ano — face a dezembro de 2017, o endividamento público subiu 7,6 mil milhões de euros.

Em março, quando estava nos 245,9 mil milhões, a dívida pública representava 126,4% do total da riqueza produzida em Portugal num ano — medida em termos do Produto Interno Bruto. O objetivo do Governo aponta para um rácio de 122,2% no final do ano.

(Notícia atualizada às 11h22)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública atinge novo recorde em maio acima de 250 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião