Revista de imprensa internacional

Enquanto a Casa Branca diz ser capaz de acabar com o plano nuclear da Coreia do Norte dentro de um ano, o Ministro do Interior alemão ameaça demitir-se caso não chegue a um acordo com Merkel.

A semana arranca com as declarações do Conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, que acredita ser capaz de acabar com o plano nuclear da Coreia do Norte dentro de um ano. Já da Alemanha não chegam boas notícias, com o ministro do Interior a ameaçar demitir-se caso não chegue a um acordo com Angela Merkel sobre as questões migratórias. Nas empresas, a Airbus vai falhar com os seus clientes no que diz respeito à entrega de aeronaves.

Reuters

EUA planeiam desmantelar plano nuclear da Coreia do Norte dentro de um ano

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca disse acreditar que a maioria dos programas de armas nucleares da Coreia do Norte possam ser desmantelados no prazo de um ano, enquanto Donald Trump e Kim Jong-un retomam as negociações. John Bolton disse ter criado um programa para concluir esse objetivo, adiantando que, possivelmente, o secretário de Estado norte-americano vai reunir-se com os líderes norte-coreanos para o discutir. Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

The Guardian

Ministro do Interior alemão ameaça demitir-se por falta de acordo com Merkel

O futuro de um Governo de coligação na Alemanha poderá estar por um fio, depois de o ministro do Interior ter colocado a hipótese de se demitir, motivado pelos confrontos de opiniões sobre as questões migratórias com Angela Merkel. Horst Seehofer não concorda com a posição da chanceler alemã e, esta madrugada, falou sobre a sua possível demissão durante um reunião com outros líderes da CSU. Contudo, resolveu encontrar-se com Angela Merkel esta segunda-feira para tentar chegar a um acordo, antes de tomar a decisão final. Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre, conteúdo em inglês).

Expansión

CaixaBank abre cadeia de lojas para vender telemóveis e eletrodomésticos

O CaixaBank está a testar uma nova forma de atrair clientes e, para isso, decidiu avançar com a abertura de várias lojas de informática e eletrónica. Num novo conceito intitulado “Family Store”, o banco pretende estabelecer-se com um dos maiores distribuidores de telemóveis, televisões, aparelhos eletrónicos e eletrodomésticos em Espanha. O objetivo é desenvolver uma rede de lojas próprias, sendo a primeira em Málaga, mas também oferecer aos clientes a hipótese de pagarem os produtos com recurso ao crédito e ainda de adquirirem seguros para os mesmos. Leia a notícia completa no Expansión (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Financial Times

China apoia fundo tecnológico de 15 mil milhões de dólares para competir com fundo do SoftBank

O China Merchants Group associou-se a uma empresa com sede em Londres para lançar um fundo de investimento de 100 mil milhões de yuans (15 mil milhões de dólares), com o objetivo de competir com o Vision Fund, um fundo criado pelo SoftBank do Japão, avaliado em quase 100 mil milhões de dólares. Juntamente com outras empresas chinesas não identificadas, o grupo estatal comprometeu-se a investir até 40 mil milhões de yuans no fundo, naquela que será uma enorme injeção de capital que permitirá investir em empresas tecnológicas da China. Leia a notícia completa no Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Bloomberg

Airbus falha na data de entrega das aeronaves A320neo

A líder mundial na fabricação de aviões comerciais vai falhar a data de entrega dos A320neo, depois de as aeronaves terem registado problemas nos motores, o que levou a um atraso de quase três meses. Estavam previstos ser entregues 210 aviões mas, devido a estas falhas, serão despachados menos 30 a 40. Estes atrasos vão prejudicar a fabricante, que tem tentado aumentar a produção a nível mundial e que planeava recuperar este ano outros atrasos ocorridos em 2017. Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso livre, conteúdo em inglês).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião