CMVM lidera Colégio de Reguladores das bolsas da Euronext

  • ECO
  • 3 Julho 2018

Regulador português assumiu a presidência do colégio de reguladores da Euronext, entidade que é responsável pela regulação, supervisão e fiscalização dos vários mercados do grupo.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) assumiu a presidência do Colégio de Reguladores da Euronext. Esta entidade é responsável pela regulação, supervisão e fiscalização dos mercados operados pelo grupo Euronext, que abriga seis praças bolsistas, incluindo Lisboa, Paris e Amesterdão.

A presidência do Colégio de Reguladores é rotativa, sendo assegurada por cada um dos reguladores nacionais numa base semestral. Coube agora à autoridade portuguesa liderada por Gabriela Figueiredo Dias suceder ao regulador belga FSMA desde o passado dia 1 de julho.

Segundo o comunicado da CMVM, o Colégio de Reguladores pretende “exercer responsabilidades no que respeita à regulação coordenada e supervisão dos mercados regulamentados operados pelo grupo Euronext (…), numa base de cooperação para assegurar uma abordagem regulamentar comum”.

“Essa cooperação em assuntos de interesse mútuo é realizada, sempre que possível, sem prejuízo das competências e responsabilidades nacionais e está sujeita às leis ou requisitos regulamentares em vigor em cada um dos Estados”, salienta ainda o regulador português.

Fazem parte do grupo a Euronext Lisbon, Euronext Amsterdam, Euronext Bruxelas, Euronext Londres, Euronext Paris e, mais recentemente, a Euronext Dublin.

A bolsa irlandesa foi adquirida este ano pelo grupo Euronext, obrigando à assinatura de um novo Memorando de Entendimento para o Colégio de Reguladores acolher o novo parceiro irlandês, o Banco Central da Irlanda.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMVM lidera Colégio de Reguladores das bolsas da Euronext

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião