Líder mundial em rebuçados investe 20 milhões em fábrica em Angola

  • Lusa
  • 3 Julho 2018

Ainda não foi feito um anúncio oficial do investimento, que está sujeita à aprovação das autoridades angolanas competentes. Objetivo é usar Angola como base para exportar para outros países africanos.

A multinacional de produtos alimentares Arcor, argentina e líder mundial na produção de rebuçados, prevê investir quase 20 milhões de euros para instalar uma fábrica de bolos e doces em Angola, numa parceria com uma empresa já instalada localmente.

A informação consta de uma nota enviada pela Arcor à Comissão Nacional de Valores da Argentina, à qual a Lusa teve acesso esta terça-feira, e que aponta para um investimento global, numa primeira fase, de 45 milhões de dólares (38,7 milhões de euros), suportado em partes iguais com o grupo Webcor.

Fonte do grupo Arcor, contactada pela agência Lusa, afirmou que ainda não foi feito qualquer anúncio oficial deste investimento, “uma vez que a operação está sujeita à aprovação das autoridades angolanas competentes“.

O objetivo, além do mercado angolano, prende-se com a exportação da futura produção para os países vizinhos, na África austral.

A avançar o negócio, trata-se da primeira fábrica da Arcor fora da América Latina, onde já conta com 47 unidades industriais, em vários países, líder na produção de alimentos, guloseimas, chocolates ou biscoitos, através de várias marcas.

Criada na Argentina em 1951, a Arcor, presidida por Luis Pagani, é atualmente a maior empresa de alimentos da Argentina e o primeiro produtor mundial de rebuçados, empregando 20.000 trabalhadores nas fábricas na Argentina (37), Brasil (5), Chile (3), México (1) e Peru (1).

O grupo Arcor faturou em 2017 mais de 3.000 milhões de dólares (2.580 milhões de euros), tendo os seus produtos à venda em 120 países.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Líder mundial em rebuçados investe 20 milhões em fábrica em Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião