Bruxelas quer compradores a pagar o IVA diretamente ao Fisco

  • ECO
  • 4 Julho 2018

A Comissão Europeia tem vindo a estudar um novo modelo de de cobrança deste imposto, que já foi adotado em Itália, Roménia e Polónia.

​A Comissão Europeia tem estado a estudar um modelo de cobrança alternativo do IVA (chamado split payment), em que, em vez de serem as empresas a entregar este imposto ao Estado, são os consumidores que fazem entrar o dinheiro diretamente nos cofres estatais. A ideia já está a ser aplicada em Itália, Polónia e Roménia, de acordo com a notícia adiantada pelo Diário de Notícias (acesso pago).

O objetivo passa por reduzir os níveis de evasão e de fraude fiscal, escreve o jornal. Em território nacional, o gap do IVA bateu um máximo histórico de 2.198 milhões de euros no ano de 2012, ultrapassando pela primeira vez a barreira dos 2.000 milhões de euros. Um ano depois arrancou-se com um novo sistema de emissão e comunicação de faturas e, desde então, essa diferença tem vindo a cair.

A razão pela qual Portugal ainda não aderiu a este split payment tem que ver com o sucesso do e-fatura ao nível da receita do IVA, disse Raquel Fernandes, advogada da CMS Rui Pena & Arnaut, em declarações ao DN. Questionado sobre a possibilidade de adotar este novo modelo de pagamento, o Ministério das Finanças não quis fazer comentários.

Relativamente aos países que já adotaram esta alternativa — Itália, Roménia e Polónia –, são os Estados-membros que representam os valores mais elevados do gap do IVA, quando se trata de medir a diferença entre a receita que podia ser cobrada e a que realmente se cobra.

Este novo modelo destaca-se pela eficácia na luta contra a fraude, evasão ou subfaturação. No entanto, os custos que acarreta poderão fazer com que Portugal não tenha interesse em adotá-lo, uma vez que o e-fatura tem dado bons resultados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas quer compradores a pagar o IVA diretamente ao Fisco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião