Santa Casa no Montepio: “Recomendações são o que são”, diz Vieira da Silva

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 4 Julho 2018

O PSD questionou o investimento da Santa Casa no Montepio, existindo recomendação do Parlamento em sentido contrário. Vieira da Silva apontou para a vontade de um conjunto alargado de instituições.

O PSD congratula-se com o facto de a Santa Casa ter investido no Montepio um valor mais baixo face a montantes que chegaram a ser apontados mas, mesmo assim, questionou esta opção, existindo até recomendação do Parlamento em sentido contrário. Em resposta, Vieira da Silva afirmou que “recomendações são o que são, são recomendações”.

Falando perante os deputados da comissão parlamentar do trabalho, o ministro Vieira da Silva garantiu que nunca falou em valores e explicou que o “que se passou foi a constituição de um conjunto alargado de instituições do setor social, algumas dezenas de misericórdias e outras instituições que, em conjunto,” resolveram aderir a este projeto de participação no capital social do Montepio, e a Misericórdia de Lisboa “acompanhou essas instituições”.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social respondia assim ao PSD, que levou o tema ao debate. O deputado social-democrata Adão Silva mostrou-se satisfeito com o facto de não ter sido aplicado um montante de 200 milhões de euros no Montepio, mas sim uma verba “muito baixa” e “quase insignificante” — 75 mil euros. Já a União das Misericórdias fez um investimento de cinco mil euros. Mas quis saber porque é que, mesmo assim, foi este o caminho escolhido, até existindo recomendação do Parlamento em sentido contrário, e apontou para a “obstinação” do Governo e “desrespeito ao Parlamento”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santa Casa no Montepio: “Recomendações são o que são”, diz Vieira da Silva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião