Magnata norte-americano quer abrir casino na Coreia do Norte

Um dos maiores apoiantes de Donald Trump quer fazer da Coreia do Norte a localização do seu próximo empreendimento hoteleiro. Sheldon Adelson é um magnata com uma fortuna de mais de 40 mil milhões.

Com a abertura da Coreia do Norte ao mundo no horizonte, há quem já pense nos milhões que podem ser feitos no país de Kim Jong-un. O magnata norte-americano Sheldon Adelson, por exemplo, quer expandir o seu império de casinos a essa região asiática. Em Jerusalém para um evento de caridade, o milionário disse que espera que Donald Trump consiga terminar o conflito entre as duas Coreias, para que possa “abrir o seu negócio” na península.

Fundador e líder da gigante Las Vegas Sand Corporation, Adelson detém múltiplos espaços de jogo não só nos Estados Unidos, mas também em Macau e em Singapura, estando agora à procura de novos mercados para os quais expandir o negócio.

Durante o evento, o milionário — cuja fortuna está avaliada em mais de 40 mil milhões de dólares (cerca de 34 mil milhões de euros), segundo a Forbes — lembrou que tinha prestado serviço militar durante a Guerra da Coreia e deixou a nota de que quer regressar a esse território não como soldado, mas como homem de negócios, avança o Casino News.

A verdade é que o próprio Kim Jong-un já tinha revelado interesse pelo trabalho de Adelson. Durante a cimeira com o presidente norte-americano, o líder norte-coreano aproveitou para ir conhecer um dos casinos do magnata. Na noite antes do encontro com Donald Trump, Kim foi visitar o complexo hoteleiro que Sheldon Adelson detém em Singapura, o Marina Bay Sands, recorda o Washington Post.

Apesar das tensões mantidas entre a Coreia do Norte e o resto do mundo, o turismo é uma das maiores fontes de receitas para o regime de Kim Jong-un. Por isso, o líder que chegou a ser chamado de “little rocket man” por Trump mandou transformar a zona costeira junto a Pyongyang num empreendimento turístico, cujas obras deverão estar concluídas em abril do próximo ano. O plano de Jong-un é fazer dessa região um chamariz de turistas sul-coreanos e chineses.

Enquanto as perspetivas turísticas e comerciais da Coreia do Norte parecem estar bem encaminhadas, o seu processo de desnuclearização já viveu melhores dias. Este fim de semana, o secretário de Estado norte-americano foi mesmo acusado pelo regime de Kim de agir como um gangster nas negociações, adianta a Quartz. Mike Pompeo desvalorizou as críticas, admitiu que o processo está a ser desafiante e deixou uma mensagem a Jong-un: O Vietname viveu um “milagre” económico quando normalizou as relações com os EUA e a Coreia do Norte pode seguir-lhe o exemplo.

Desafiante ou não, Donald Trump conta, pelo menos, com a confiança de Sheldon Adelson. Afinal de contas, o magnata foi um dos principais patrocinadores da sua campanha eleitoral, já que entre estes milionários há um laço de amizade de longa data. Adelson acabou mesmo por fazer a maior doação de todas para a festa de inauguração da administração do empresário nova-iorquino: contribuiu com cinco milhões de dólares (pouco mais de 4,2 milhões de euros).

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Magnata norte-americano quer abrir casino na Coreia do Norte

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião