Cuatrecasas assessora Artá Capital na compra da empresa de GPL da REN

A Energyco II, participada do fundo espanhol de private equity Artá Capital, contou com a assessoria jurídica da Cuatrecasas na operação de aquisição da REN Portgás GPL.

A Energyco II, participada do fundo espanhol de private equity Artá Capital, contou com a assessoria jurídica da Cuatrecasas na operação de aquisição da REN Portgás GPL, a empresa de distribuição de petróleo liquefeito (GPL) que pertencia à REN – Redes Energéticas Nacionais.

Em comunicado à CMVM, a REN declara que “tem como estratégia focar-se em negócios regulados e, nesse sentido, decidiu alienar o negócio de gás de petróleo liquefeito (GPL) que adquiriu aquando da aquisição da EDP Gás em 2017”. Esta operação tratou-se de aquisição das ações através da qual a Gascan, que foi adquirida o ano passado pela Artá Capital à Explorer Investments, prossegue o seu crescimento inorgânico.

A Artá Capital é detida pelo Grupo March, o único banco familiar espanhol, e investe em empresas ibéricas não cotadas líderes nos seus setores, podendo atuar como sócio minoritário ou maioritário. A Energyco, participada pela Artá Capital, é uma empresa ibérica que se dedica ao fornecimento de água quente ou de vapor a clientes empresariais.

A equipa da Cuatrecasas, liderada pelo sócio José Diogo Horta Osório, foi composta por Marta Costa Martins, Rita Caçador, Sofia Monge de Araújo e Filipe Valentim Ramos, associados da área de Societário. Na área de Direito Fiscal, a equipa contou com a associada sénior Ana Helena Farinha, sob a coordenação do sócio responsável por esta área, Diogo Ortigão Ramos.

Esta é mais uma transação de M&A transfronteiriça assessorada pela Cuatrecasas, sociedade de advogados que lidera há cinco anos consecutivos o ranking Mergermarket das sociedades de advogados que assessoram um maior número de fusões e aquisições na Península Ibérica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cuatrecasas assessora Artá Capital na compra da empresa de GPL da REN

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião