Investimentos ferroviários em curso “estão todos encostados à fronteira”

  • Lusa
  • 9 Julho 2018

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, diz que vão continuar com estes investimentos que, de momento, estão "todos encostados à fronteira com Espanha".

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse esta segunda-feira que, numa altura em que tanto se tem falado no Interior e no desenvolvimento do Interior, os investimentos ferroviários em curso “estão todos encostados à fronteira”.

“Este país deve saber que, em matéria dos investimentos ferroviários, todos os grandes investimentos ferroviários que estão neste momento em curso estão todos encostados à fronteira com Espanha”, disse esta segunda-feira o governante, na Guarda.

Pedro Marques esteve na Estação Ferroviária da Guarda, onde presidiu à sessão de lançamento dos concursos públicos da empreitada de modernização da Linha da Beira Alta, entre Cerdeira e Guarda, e de sinalização para a rede ferroviária nacional.

“Seja no Minho, seja aqui em concreto [na região da Guarda], seja, por exemplo, no Corredor Internacional Sul, as nossas ligações internacionais, os troços mais próximos da fronteira, são aqueles que estão agora a ser privilegiados, a ser os nossos grandes espaços de investimento”, apontou.

O ministro acrescentou que estes investimentos “serão complementados com enormes empreitadas, quer no Corredor Internacional Sul, a construir linha nova, quer aqui no Corredor Internacional Norte, com a renovação de toda a Linha da Beira Alta e com a concordância”, na Pampilhosa, para os portos mais a norte, “em particular para Leixões”.

“É assim que queremos continuar”, afirmou Pedro Marques. O governante explicou que já estão a decorrer “obras muito importantes nos vários corredores internacionais como grande prioridade da Infraestruturas de Portugal” e que vão ter continuidade.

“Vamos, por isso, continuar. Continuamos pelo investimento público criterioso, continuamos com obras concretas no terreno, passámos a fase dos estudos, passámos a fase dos projetos, tivemos que a fazer, demorou cerca de dois anos, agora, estamos na fase da obra, do investimento público, do investimento público reprodutivo, daquele que traz mais economia às nossas regiões”, afirmou.

Na sessão de lançamento do concurso para a empreitada de modernização da Linha da Beira Alta, entre Cerdeira e Guarda, a primeira a realizar naquela linha, o vice-presidente da Infraestruturas de Portugal, Carlos Fernandes, referiu que o concurso foi lançado pelo valor de 11 milhões de euros.

A obra terá um prazo de execução de 294 dias e naquele troço de 14 quilómetros será realizada a renovação integral da via e a estabilização da plataforma, entre outras intervenções, admitindo que os trabalhos no terreno possam começar no prazo de um ano.

O outro concurso, também lançado esta segunda-feira, para sinalização da rede ferroviária nacional, tem um montante global de 63 milhões de euros.

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, reafirmou na ocasião que a cidade e a região têm pela frente o projeto da plataforma ferroviária que, em sua opinião, será, “talvez, o maior desafio para o seu desenvolvimento”.

“É o desafio das próximas décadas”, rematou o autarca.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimentos ferroviários em curso “estão todos encostados à fronteira”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião