Trabalhadores a recibos verdes no Estado aumentam 14,6%. Ministério do Trabalho tem mais de metade

  • ECO
  • 10 Julho 2018

Havia perto de 18 mil trabalhadores em situação de prestação de serviços no segundo semestre de 2017. Do total, mais de metade estavam ao serviço do Ministério do Trabalho.

Os serviços do Estado central e as autarquias tinham, no final do segundo semestre de 2017, 17.728 pessoas em regime de prestação de serviços, uma aumento de 14,6% do que no mesmo período de 2016. Isto mesmo com o programa de regularização dos precários no Estado em curso.

Os dados são da Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) e foram divulgados esta terça-feira pelo Público (acesso condicionado), nos quais se pode identificar que este é o número mais alto desde o segundo semestre de 2013, altura em que eram 28 mil os precários do Estado.

Os números recolhidos incluem os trabalhadores a recibos verdes que estão à espera da regularização da sua situação, os que iniciaram a prestação de serviços depois de maio do ano passado e outras prestações de serviços que não estão abrangidas neste processo de regularização.

No entanto, mais de metade dos trabalhadores a recibos verdes está ligado à administração central, principalmente aos serviços que dependem do Ministério do Trabalho e da Segurança Social, da Saúde e da Ciência e Ensino Superior. O ministério de Vieira da Silva contava com 6.113 prestações de serviços, perfazendo 61% de todos os recibos verdes da administração central e um terço do total.

Na análise que faz aos dados, a DGAEP dá conta do “acréscimo particularmente relevante” no ministério do Trabalho “devido ao sinal da retoma da atividade do Instituto do Emprego e Formação Profissional com a contratação maioritariamente de formadores”. Já as autarquias contabilizam 43,7% das prestações de serviços registadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores a recibos verdes no Estado aumentam 14,6%. Ministério do Trabalho tem mais de metade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião