YouTube ajuda a travar notícias falsas. Investe 25 milhões de dólares

  • ECO
  • 10 Julho 2018

O YouTube está empenhado em combater as fake news. Vai investir 25 milhões de dólares para apoiar órgãos de comunicação que queiram desenvolver vídeos para a plataforma.

O YouTube é a mais recente plataforma a implementar medidas para combater as fake news e tem 25 milhões de dólares para investir. Já não falta muito para que, ao pesquisar um vídeo no site, o YouTube lhe sugira artigos sobre o tema, provenientes de fontes de informação credíveis. A ideia é dar mais contexto aos utilizadores sobre assuntos que estejam nas notícias.

A plataforma da Google deverá disponibilizar esta nova funcionalidade nas próximas semanas. Para além de ligações para artigos, irá também dar mais destaque a vídeos carregados por órgãos de comunicação social.

Vai ser assim a nova funcionalidade que a Google está a preparar para o YouTube.YouTube

Mas há mais. O YouTube planeia fazer um investimento de até 25 milhões de dólares no combate às notícias falsas, no âmbito do Google News Iniciative. O dinheiro servirá para aumentar equipas e financiar iniciativas em cerca de vinte mercados globais. Concretamente, a empresa quer as empresas de media na criação de departamentos de vídeo sustentáveis. O YouTube está já a trabalhar com a Vox Media e a rádio brasileira Jovem Pan neste projeto.

O próprio YouTube também está repleto de vídeos associados a teorias da conspiração e chegou a ser acusado de ajudar a propagar informação falsas, devido ao algoritmo que sugere vídeos aos utilizadores. Para impedir isso, alguns vídeos vão passar a estar acompanhados de informação contextual da Wikipédia e da Encyclopædia Britannica.

A Google dá o exemplo da ida do homem à lua, um tema que é muitas vezes associado a teorias da conspiração.YouTube

A plataforma vai ainda adicionar os separadores de Top News e Breaking News aos tópicos da página inicial. Estas funcionalidades já estão disponíveis em 17 países, incluindo nos Estados Unidos, Reino Unido, França, Itália, Japão, Índia, Brasil, África do Sul e Nigeria. A plataforma planeia expandi-la para mais países.

As medidas foram divulgadas esta terça-feira num artigo publicado no blog da empresa, assinado pelos diretores executivos de produto e negócio, Neal Mohan e Robert Kyncl.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

YouTube ajuda a travar notícias falsas. Investe 25 milhões de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião