Aumentos salariais na Altice Portugal vão custar 2,5 milhões por ano

Os aumentos salariais entre 1% e 4% na Altice Portugal, definidos no novo acordo coletivo de trabalho, vão aumentar o peso da massa salarial da empresa em 2,5 milhões de euros por ano.

A Altice Portugal estima que os aumentos salariais previstos no novo acordo coletivo de trabalho vão custar 2,5 milhões de euros anuais à empresa, mas destaca a “flexibilidade” dos sindicatos nos últimos “dois meses” de negociações. O número foi avançado pelo presidente executivo, Alexandre Fonseca, na cerimónia de assinatura do documento com as estruturas sindicais que representam os trabalhadores da dona da Meo.

O acordo prevê aumentos entre 1% e 4%, consoante o rendimento base de cada trabalhador. Na prática, um salário entre 800 e 1.000 euros será aumentado em 20 euros mensais, enquanto a uma remuneração base entre 1.000 e 1.500 euros serão acrescidos mais 15 euros todos os meses, segundo cálculos de um sindicato.

Aos representantes dos trabalhadores, Alexandre Fonseca, presidente executivo da companhia, destacou a “justiça social” deste aumento, salientando que o aumento real andará em “valores próximos de 1% para a maioria dos colaboradores da Altice Portugal”. Este aumento representa mais “2,5 milhões de euros anuais na massa salarial” da dona da Meo, revelou.

Segundo o presidente, este acordo foi subscrito por todas as estruturas sindicais, algo que considerou “histórico e inédito no passado recente da Altice Portugal”. Deixou, por isso, uma “palavra de apreço e reconhecimento pela flexibilidade, abertura e empenho” dos sindicatos nos “dois meses” de negociações para esta revisão do acordo coletivo de trabalho. O discurso foi aplaudido pelos representantes das associações sindicais.

O acordo deverá trazer a “paz social” à empresa depois de mais de um ano de braço de ferro entre a companhia e os trabalhadores, marcado por uma greve geral em meados do ano passado. Esta quarta-feira, Alexandre Fonseca reconheceu valor na motivação dos trabalhadores para que a empresa consiga “reforçar a liderança” no mercado: “Queremos ter os melhores, queremos ter os trabalhadores mais motivados”, disse, lembrando que a empresa precisa de ter um “ambiente de trabalho” que propicie isso.

O líder da Altice Portugal, no momento da assinatura do novo acordo coletivo de trabalho da empresa.Altice Portugal 11 Julho, 2018

O acordo, em detalhe

O ECO teve acesso ao protocolo assinado entre a Altice Portugal e os sindicatos. O documento acrescenta mais detalhes ao que já tinha sido divulgado publicamente pela empresa.

Num dos pontos, a Altice Portugal compromete-se a “garantir um número mínimo de 200 movimentos de evolução profissional em 2018, designadamente 100 progressões, 50 promoções e 50 movimentos de evolução profissional (progressão ou promoção), a serem definidos em função das necessidades da empresa”. A empresa compromete-se ainda a mais 50 movimentos de evolução profissional até 30 de junho de 2019.

Em relação ao dia adicional de férias, o documento prevê que seja atribuído apenas aos trabalhadores que não tenham dado qualquer falta injustificada. “No caso de o trabalhador, no ano a que as férias se reportam e desde que seja um ano civil completo, não tenha qualquer falta injustificada, a duração do período de férias é acrescida de um dia”, lê-se no documento.

Foi ainda criado um subsídio para “os trabalhadores que, no exercício das suas funções, tenham que subir a torres de telecomunicações”. “Receberão por cada intervenção, com subida e execução de trabalhos a uma altura igual ou superior a 30 metros, um subsídio por trabalho a grande altura”, no valor de 13 euros. Se a intervenção tiver uma duração superior a três horas, o trabalhador recebe o subsídio em duplicado.

Quanto ao acesso à reforma, um trabalhador que peça a reforma por velhice ou invalidez, tem direito a um prémio indexado ao número de anos em que está na empresa. O montante varia entre os 220 euros para antiguidades entre os 15 e os 19 anos, e 3.000 euros para antiguidades iguais ou superiores a 47 anos ao serviço da companhia.

(Notícia atualizada às 15h18 com mais detalhes sobre o acordo que foi assinado)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aumentos salariais na Altice Portugal vão custar 2,5 milhões por ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião