Inflação dispara para 1,5% em junho. Combustíveis puxam pelos preços

A taxa de inflação homóloga situou-se em junho nos 1,5%, em Portugal, indica o INE, acima dos 1% em maio e um pouco abaixo da estimativa rápida.

A taxa de inflação acelerou em junho para 1,5%, em Portugal, mostram dados do Instituto Nacional de estatísticas (INE). Em maio, o Índice de Preço no Consumidor (IPC) tinha-se fixado em 1%. Aceleração dos preços é justificada em grande medida pelo aumento da fatura dos portugueses com combustíveis.

Os dados finais do IPC para junho ficam um pouco aquém da estimativa rápida avançada pelo gabinete de estatísticas público que apontava para que a taxa de inflação homóloga se tivesse situado nos 1,6% naquele mês. O indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) cresceu em junho 1%, o que compara com a subida de 0,6% registada em maio.

Inflação dispara em junho

Fonte: INE

Contudo, voltam a confirmar a relevância da subida dos preços dos combustíveis para o rumo dos preços em Portugal. “O agregado relativo aos produtos alimentares não transformados registou uma variação homóloga de 1,2% em junho (0,4% em maio), enquanto a taxa referente aos produtos energéticos aumentou para 7,5% (5,8% no mês anterior)“, especifica o INE.

O INE destaca ainda os aumentos das taxas de variação homóloga das classes dos Restaurantes e hotéis e do Lazer, recreação e cultura com 3,8% e nula. Estes valores comparam, respetivamente, com variações de 2,9% e -0,7% no mês anterior.

A classe com contribuição negativa mais relevante para o rumo da inflação foi a do Vestuário e calçado, isto num mês marcado pelo regresso dos saldos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inflação dispara para 1,5% em junho. Combustíveis puxam pelos preços

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião