Moscovici: “Ainda estamos no ciclo de expansão”

Bruxelas reviu em baixa previsão de crescimento para a UE e a Zona Euro este ano. Tensões comerciais estão na origem desta alteração. Comissário europeu garante que crescimento é sólido.

O comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros defendeu esta quinta-feira que a economia do bloco europeu continua numa fase de “expansão”, apesar da escalada das tensões comerciais que levou o executivo comunitário a rever em baixa a previsão de crescimento para este ano.

Ainda estamos num ciclo de expansão”, afirmou Pierre Moscovici, em resposta aos jornalistas na conferência de imprensa de apresentação das Previsões de verão que a Comissão Europeia publicou esta quinta-feira.

A Comissão Europeia reviu em 0,2 pontos percentuais a projeção de crescimento do PIB para este ano para 2,1%. Esta é a previsão para a Zona Euro e para a UE. Para 2019, a previsão mantém-se em 2%. A escalada de medidas protecionistas explica esta a alteração.

“O crescimento na Europa permanece resiliente, já que a política monetária se mantém acomodatícia e o desemprego continua a cair. A ligeira revisão em baixa, quando comparado com as previsões de primavera, reflete o impacto na confiança das tensões comerciais e da incerteza nas políticas, bem como do do aumento dos preços do petróleo”, disse ainda o comissário europeu na sua intervenção inicial.

“As nossas previsões são de uma continuação da expansão em 2018 e 2019, apesar da escalada das medidas de protecionismo ser um risco claro em baixa. A guerra comercial não produz vencedores, só perdas”.

Moscovici reforçou que as tensões comerciais até agora não abalar os motivos que estão por detrás do crescimento das economias que formam o bloco europeu, mas admitiu que a Comissão está cautelosa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moscovici: “Ainda estamos no ciclo de expansão”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião