Comissão Europeia prevê que Portugal cresça 2,2% este ano. Revê previsão em uma décima

  • Marta Santos Silva
  • 12 Julho 2018

Nas Previsões Económicas Europeias deste verão, Bruxelas permanece mais pessimista do que o Governo português sobre o crescimento da economia em 2018 e 2019.

A Comissão Europeia reviu em baixa o crescimento que antecipa para a economia portuguesa este ano, com a publicação esta quinta-feira das suas Previsões Económicas Europeias deste verão. Se as previsões anteriores de Bruxelas estavam em linha com as do Governo — nos 2,3% para 2018 — agora a Comissão Europeia desce essas previsões para 2,2%. Para 2019, mantém-se a previsão anterior de 2%, abaixo da do Governo, que é também de 2,3% para o ano que vem.

Os especialistas de Bruxelas consideram que, embora as exportações e importações devam continuar a aumentar a ritmos elevados, terão uma “contribuição geral um pouco menor devido a um ambiente externo menos favorável”. Assim, anteveem um crescimento do PIB de 2,2% em 2018 e 2% em 2019.

As autoridades europeias acrescentam ainda que, embora o consumo privado “continue a beneficiar das melhores condições do mercado de trabalho”, este deverá desacelerar na segunda metade do ano, já que o ritmo de criação de emprego está a abrandar. Também o aumento do preço do petróleo deverá ter um impacto no poder de compra, acrescenta a Comissão.

Em geral, porém, a Comissão Europeia tem uma visão otimista da evolução da economia portuguesa, referindo positivamente que o investimento em equipamentos permanece forte com previsões de que se mantenha assim, o que reflete “a saúde financeira melhorada do setor empresarial”, assim como o investimento no setor da construção que deverá recuperar de acordo com o que indicam as vendas de cimento.

Bruxelas também assinala que a inflação portuguesa está a recuperar, antecipando 1,4% em 2018 e 1,6% em 2019. Os salários têm aumentado menos, mas prevê-se que “comecem gradualmente a recuperar”.

No campo do imobiliário, os preços das casas aumentaram 12,2% no primeiro trimestre de 2018, assinala Bruxelas, reconhecendo que este valor está muito acima do da inflação geral, e deverá manter-se assim durante os próximos anos. “A recuperação na construção civil residencial deverá gradualmente controlar os preços da habitação”, lê-se nas previsões divulgadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia prevê que Portugal cresça 2,2% este ano. Revê previsão em uma décima

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião