Trump volta a acusar a Alemanha de pagar milhões de dólares à Rússia

  • Lusa
  • 12 Julho 2018

O presidente dos Estados Unidos prosseguiu o ‘ataque’ à Alemanha, dizendo que o país paga “milhares de milhões de dólares” à Rússia, algo “inaceitável.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prosseguiu esta quinta-feira o seu ‘ataque’ à Alemanha, dizendo que o país paga “milhares de milhões de dólares” à Rússia, algo que classificou como “inaceitável“.

“Desde há vários anos, os presidentes [norte-americanos] têm tentado, sem sucesso, fazer com que a Alemanha e outras nações ricas da NATO paguem mais para se protegerem da Rússia. Eles pagam apenas uma fração do seu custo. Os Estados Unidos pagam dezenas de milhares de milhões de dólares para subsidiar a Europa, e perde em grande no comércio”, disse Trump.

Em mais uma publicação no Twitter, o presidente norte-americano voltou a ‘atacar’ a Alemanha, como já tinha feito no primeiro dia da cimeira da Aliança Atlântica, que termina hoje em Bruxelas.

“A Alemanha começou a pagar à Rússia, o país do qual querem proteger-se, milhares de milhões de dólares pela energia que vai sair do novo gasoduto. Não é aceitável”, argumentou.

Na quarta-feira, o presidente norte-americano acusou a Alemanha de estar “prisioneira” da Rússia por causa das importações de energia.

“A Alemanha está prisioneira da Rússia porque importa de lá uma grande parte da sua energia”, declarou Trump, durante um pequeno-almoço com o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte, Jens Stoltenberg.

Trump aludia ao projeto do gasoduto Nord Stream II, cuja construção está prevista para arrancar este mês e que sai de Ust-Luga, na Rússia, atravessando todo o mar Báltico até terminar em Greifswald, na Alemanha.

Em resposta ao presidente norte-americano, a chanceler alemã Angela Merkel destacou a independência das decisões de Berlim.

Trump usou o mesmo ‘tweet’ para reiterar a necessidade de todos os aliados cumprirem a meta de consagrarem 2% do Produto Interno Bruto (PIB) a despesas em Defesa, uma meta estabelecida na cimeira do País de Gales para o prazo de uma década.

“Todas as nações da NATO têm de cumprir o compromisso de 2%, e têm obrigatoriamente de alcançar os 4%”, voltou a defender, depois de já ter feito essa exigência na reunião de chefes de Estado e Governo da Aliança Atlântica na quarta-feira.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump volta a acusar a Alemanha de pagar milhões de dólares à Rússia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião