Câmara de Lisboa reduz passivo para 970 milhões no primeiro semestre

  • Lusa
  • 13 Julho 2018

O vereador das Finanças, João Paulo Saraiva disse que a dívida a fornecedores era de 3,9 milhões de euros no final do ano passado, tendo passado para 3,2 milhões de euros ao fim destes seis meses.

A Câmara Municipal de Lisboa terminou o primeiro semestre deste ano com um passivo de 970 milhões de euros, uma redução de cerca de 96 milhões relativamente ao registado no final do ano passado, anunciou a autarquia.

O vereador das Finanças, João Paulo Saraiva (PS), afirmou na sessão plenária de quinta-feira da Assembleia Municipal de Lisboa (AML) que no final de dezembro do ano passado a câmara contava com um passivo de 1.066 milhões de euros e ao fim de seis meses conta com um passivo de 970 milhões.

João Paulo Saraiva, vereador da Câmara Municipal de Lisboa.Paula Nunes / ECO

“O passivo total do município tem vindo a descer de forma sustentada”, vincou, durante a apresentação relatório de gestão e demonstrações financeiras consolidados do município.

O autarca salientou que a dívida a fornecedores era de 3,9 milhões de euros no final do ano passado, tendo passado para 3,2 milhões de euros ao fim destes seis meses. Quanto à dívida legal, foi reduzida de 472 milhões de euros (no fim de 2017) para 435 milhões no final do primeiro semestre deste ano.

Num dia em que se soube que a Câmara de Lisboa foi condenada pelo Supremo Tribunal de Justiça ao pagamento de 96 milhões de euros à família Arez Romão, no âmbito de um processo relativo à cedência de um terreno, o município assegurou que “esta situação foi devidamente provisionada nas contas da câmara“, e que a autarquia se compromete a “respeitar os limites legais de endividamento e os prazos médios de pagamento a fornecedores”.

Falando deste processo na AML, João Paulo Saraiva garantiu que a câmara vai “continuar a manter” todos os seus “princípios sobre pagamentos a fornecedores”, bem como a sua “capacidade de endividamento crescente e a capacidade de manutenção da cidade”.

O relatório de gestão e demonstrações financeiras consolidados do município foi hoje aprovado na reunião da AML com os votos a favor dos independentes, PS e BE, as abstenções do MPT e PAN e os votos contra do PEV, PCP, PSD e CDS.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa reduz passivo para 970 milhões no primeiro semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião