Sonae reforça posição na Sonae Sierra com 255 milhões

  • Lusa
  • 14 Julho 2018

Com a compra ao grupo inglês Grosvenor, a multinacional Sonae passa a deter 70% da empresa do imobiliário Sonae Sierra, se as autoridades da concorrência aprovarem a aquisição.

A multinacional portuguesa Sonae informou hoje que vai reforçar a sua posição na Sonae Sierra, companhia que já detinha, ao concluir a compra de 20% ao grupo inglês Grosvenor por cerca de 255 milhões de euros.

Em comunicado enviado hoje ao mercado, a Sonae informa que “conclui um acordo com o grupo Grosvenor para a aquisição de uma participação de 20% da Sonae Sierra, SGPS, SA pelo valor total estimado de 255 milhões de euros”.

Atualmente, a Sonae Sierra, que se dedica ao ramo imobiliário e que gere centros comerciais em todo o mundo, é detida pela Sonae (50%) e pela Grosvenor (50%). Com a aquisição agora concluída, a Sonae reforça a posição, passando a deter 70%.

O acordo alcançado com o grupo Grosvenor vai permitir à Sonae “reforçar a sua participação e influência num ‘player’ [numa empresa] de referência no setor do imobiliário de retalho, simultaneamente aumentando o perfil internacional do grupo”, refere a nota ao mercado. De acordo com a Sonae, este grupo inglês “continuará a ser um parceiro estratégico”, apesar de estarem “assegurados os direitos de saída adequados à sua futura condição de acionista minoritário”.

Esta aquisição necessita de aval das autoridades da concorrência competentes.

Na nota ao mercado, a Sonae ressalva ainda que a Sonae Sierra “gere e co-controla um portefólio de sete mil milhões de euros (valor de mercado) de 46 centros comerciais na Europa e na América do Sul, com uma área bruta locável de 1,9 milhões de metros quadrados”.

A Sonae Sierra está presente em 12 países, tem mais de 9.300 contratos com lojistas e gere centros comerciais que registaram, em 2017, mais de 438 milhões de visitas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae reforça posição na Sonae Sierra com 255 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião