Casa Eficiente ainda não financiou nenhum projeto

  • ECO
  • 16 Julho 2018

As condições de financiamento apresentadas permitem concluir que os custos dos empréstimos são muito elevados e as exigências são muito próximas às requeridas pelos bancos para o crédito à habitação.

O programa Casa Eficiente, financiado pelo Banco Europeu de Investimento, arrancou há três meses, mas ainda não beneficiou nenhum proprietário. As condições de financiamento apresentadas permitem concluir que os custos dos empréstimos são muito elevados e as exigências são muito próximas às requeridas pelos bancos para o crédito à habitação ou ao consumo.

Como escreve esta segunda-feira o jornal Público (acesso condicionado), apenas duas das três entidades bancárias que se associaram à iniciativa apresentaram as condições de financiamento, sendo elas a Caixa Geral de Depósitos e o BCP. No caso da CGD, pedir 40 mil euros emprestados para melhorar a eficiência energética de uma casa, a pagar a 20 anos, implica o pagamento de 5.385 euros em comissões, no mínimo.

Já a nível de burocracia, o processo envolve pedidos de orçamentos que só podem ser feitos após visita ao local, a emissão de certidões depois de escolhida uma empresa a fazer a intervenção. Para além disso, as obras só podem ser feitas pelas empresas que estiverem inscritas no portal. Atualmente são 556.

Ainda assim, muitos portugueses mostraram interesse neste programa, que prometeu 200 milhões de euros para quem quisesse transformar o seu imóvel para que este fosse mais eficiente a nível energético. Segundo os números da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário, foram feitas 18.890 simulações no Portal Casa Eficiente, o que corresponde a 57.194 intervenções. Os custos e as burocracias foram, então, o fator decisivo para que o planeamento não passasse à ação.

Anunciado em abril, o programa Casa Eficiente conta com uma verba de 200 milhões de euros para o período de 2018 a 2021 e que visa suportar intervenções na envolvente construída do edifício, em paredes, coberturas e janelas, e nos seus sistemas, desde logo ao nível da iluminação, rega, ventilação, produção de água quente sanitária, redes prediais e dispositivos sanitários.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casa Eficiente ainda não financiou nenhum projeto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião