Há 200 milhões em créditos cofinanciados pelo BEI para tornar casas mais eficientes

  • Lusa
  • 12 Abril 2018

O objetivo é “conceder empréstimo, em condições muito favoráveis" para a realização de obras de melhoria do desempenho ambiental dos edifícios. Dinheiro é cofinanciado pelo BEI.

Um programa para conceder empréstimos aos proprietários – empresas ou particulares –, que façam obras para melhorar o desempenho ambiental das casas vai ser lançado na sexta-feira, num montante de 200 milhões de euros.

Em comunicado, a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) – que vai dinamizar a iniciativa promovida pelo Estado Português e cofinanciada pelo Banco Europeu de Investimento (BEI) e bancos comerciais aderentes – explica que o objetivo é “conceder empréstimo, em condições muito favoráveis, para a realização de um conjunto de muito alargado de obras de melhoria do desempenho ambiental dos edifícios maioritariamente habitacionais, com especial enfoque na eficiência energética e hídrica, bem como na gestão de resíduos urbanos”.

Denominado Casa Eficiente 2020, o programa tem uma verba prevista de 200 milhões de euros para o período de 2018 a 2021. O montante visa suportar intervenções “na envolvente construída do edifício”, em paredes, coberturas e janelas, e nos “seus sistemas”, desde logo ao nível da iluminação, rega, ventilação, produção de água quente sanitária, redes prediais e dispositivos sanitários.

Ao programa Casa Eficiente 2020 poderá concorrer “qualquer pessoa, singular ou coletiva de direito privado, proprietária de prédio ou fração autónoma destinado a habitação”, precisa a CPCI.

O projeto é formalmente apresentado na sexta-feira numa cerimónia presidida pelos ministros do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, e do Ambiente, João Matos Fernandes, que decorre na sede da Ordem dos Engenheiros, em Lisboa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 200 milhões em créditos cofinanciados pelo BEI para tornar casas mais eficientes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião