Toys R Us recebe ofertas milionárias na Ásia

Toys R Us revelou que já recebeu várias ofertas de mais de mil milhões de dólares pelas suas operações asiáticas. Empresa declarou falência nos Estados Unidos e no Reino Unido.

Depois de ter declarado falência nos Estados Unidos, no Reino Unido e até em Portugal, a Toys R Us acaba de revelar que já recebeu várias ofertas de mais de mil milhões de dólares (pouco mais de 808,3 milhões de euros) pelas suas operações na Ásia. Segundo o advogado da gigante dos brinquedos, os potenciais compradores estão interessados em adquirir 85% da empresa.

Toys R Us está a reorganizar as suas operações nos Estados Unidos, na Europa e na Ásia.

De acordo com a Reuters, as estimativas apontam para um crescimento anual das receitas da indústria asiática dos brinquedos de 6,3%, no próximos três anos, isto é, terá um crescimento cinco vezes mais rápido que a indústria norte-americana, o que faz das operações da empresa bastante apetecíveis.

Mas nem tudo são rosas. Apesar de estar em expansão na Ásia, o setor dos brinquedos em geral tenderá a dispensar os vendedores intermediários, estando os próprios fabricantes agora capazes de vender diretamente os produtos através da Internet em plataformas como a gigante Alibaba.

Antes da queda do império, a empresa liderada por Dave Brandon chegou a ter 1.600 lojas em 38 países. No âmbito da bancarrota, a Toys R Us já obteve a aprovação do tribunal para liquidar o inventário das 735 que mantinha nos Estados Unidos. Também as operações no Canadá e na Europa — Alemanha, Áustria e Suíça — estão a ser reorganizadas. Em Portugal, a empresa está à espera de propostas de aquisição, depois de ter declarado insolvência no final do mês passado.

Na audição relativa à falência da norte-americana, Joshua Sussberg confirmou ainda que a Toys R Us está a fechar um acordo para vender as suas operações na Europa Central, avança a BBC News.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Toys R Us recebe ofertas milionárias na Ásia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião