Exclusivo BPI substitui Novo Banco no patrocínio à seleção nacional

Foi com o Novo Banco que Portugal se sagrou campeão europeu, e chegou aos oitavos no mundial. Agora, a equipa das quinas vai ter o apoio do BPI. Contrato dura até 2022.

O BPI é o novo reforço da seleção nacional. Terminado o Mundial da Rússia, em que a equipa das quinas não foi além dos oitavos de final, chegou ao fim também o contrato de patrocínio do Novo Banco que agora vai ser substituído pelo banco liderado por Pablo Forero, controlado pelo CaixaBank, apurou o ECO. O contrato vai até ao Mundial do Qatar.

O banco de capitais espanhóis vai assinar esta terça-feira o contrato de patrocínio da seleção nacional com a Federação Portuguesa de Futebol, num acordo para os próximos quatro anos. Não são conhecidos os valores envolvidos neste apoio do BPI à equipa capitaneada por Cristiano Ronaldo, a nova estrela da Juventus. Contactado oficialmente, o BPI escusou-se a fazer comentários.

Esta substituição marca o fim da cor verde do Novo Banco, mas que já vem desde o Banco Espírito Santo (BES), em 2002. Foi com o banco liderado por António Ramalho que Portugal conseguiu a sua melhor classificação de sempre, vencendo o Campeonato da Europa em França contra… França, graças a um golo de Éder.

O BPI já se tinha associado à seleção portuguesa no Euro 2004, que se realizou em Portugal, mas tem-se mantido fora das competições futebolísticas nos últimos anos, ao contrário de outras instituições financeiras. Em 2005 recorreu a José Mourinho, o atual treinador do Manchester United, para lançar uma campanha publicitária, sendo atualmente Sara Sampaio a “cara” do banco.

Agora, com este contrato, o BPI procura viajar com a seleção comandada por Fernando Santos — que chegou a ser a cara de uma campanha do Novo Banco — para o Campeonato da Europa que se vai realizar em 12 cidades de 12 países europeus diferentes, em 2020, mas também para o Mundial do Qatar em 2022, o primeiro a realizar-se durante o inverno devido às altas temperaturas que se fazem sentir no verão.

Recorde-se que o dono do BPI, o CaixaBank, além da seleção portuguesa, também assinou recentemente um acordo para o patrocínio da seleção espanhola. Tornou-se o parceiro financeiro exclusivo das seleções masculinas e femininas, mas até 2024, mais dois anos do que o acordo em Portugal. Vai até ao europeu que ainda não tem país organizador. Só vai ser conhecido em setembro.

(Notícia atualizada às 11h00 a recordar que o CaixaBank também é patrocinador da seleção espanhola até 2024)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BPI substitui Novo Banco no patrocínio à seleção nacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião