Câmara de Lisboa quer ter central fotovoltaica a funcionar em 2020

  • Lusa
  • 18 Julho 2018

Município está “à espera do licenciamento da Direção de Energia e Geologia. A central do Vale do Forno deverá ter uma capacidade inicial de 2 megawatt.

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou que pretende que a capital tenha uma central fotovoltaica a funcionar em 2020, no aterro do Vale do Forno, para abastecer veículos elétricos e reduzir a energia fóssil na cidade.

O vereador do Ambiente, José Sá Fernandes, disse estimar que até 2020 a capital tenha uma linha de elétrico, 20 autocarros e 50 veículos afetos à recolha de resíduos a serem abastecidos através de energia solar.

Esta revelação foi feita durante a visita a uma exposição sobre as transformações ambientais que afetam o planeta, no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT).

O vereador do Ambiente – que escolheu o ambiente da exposição para falar sobre o trabalho a ser feito no âmbito de Lisboa Capital Europeia Verde 2020, programa ao abrigo do qual a autarquia recebeu 350 mil euros da Comissão Europeia – vincou que pretende “combater a energia fóssil” e ter mais “produção solar a abastecer autocarros e carros elétricos” em Lisboa.

Neste momento, o município está “à espera do licenciamento da Direção de Energia e Geologia, que deverá estar prestes a ser emitido”.

A central do Vale do Forno deverá ter uma capacidade inicial de 2 megawatt (MW).

A autarquia informou, também, que está “a trabalhar com a Carris para calcular os consumos expectáveis que dependem dos concursos futuros de aquisição de autocarros e outros pormenores que têm ainda de ser aferidos”, acreditando Sá Fernandes que, “até 2030 toda a frota da Carris seja abastecida com produção local”.

O vereador do Ambiente adiantou que pretende a “introdução de energia solar na rede contínua do Metropolitano de Lisboa”, embora sem data definida para isso.

Outra das apostas do município lisboeta respeita ao aumento de espaços verdes na cidade. “Aumentámos 200 hectares de zonas verdes e mais 200 hectares estão aí à porta”, vincou.

Com isto, a autarquia pretende assegurar mais biodiversidade, menos ruído, melhor qualidade do ar e, também, melhor urbanização, apontou.

Outra preocupação autárquica prende-se com a poupança de água, com a Câmara a pretender “reutilizar mais”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa quer ter central fotovoltaica a funcionar em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião