Rio justifica viabilização das leis laborais com “interesse nacional”

  • Lusa
  • 18 Julho 2018

Rui Rio alertou o Governo que, se na discussão na especialidade, o acordo de concertação for “desvirtuado”, o voto do PSD poderá mudar da abstenção para o voto contra.

O presidente do PSD, Rui Rio, justificou esta quarta-feira a viabilização da proposta de lei do Governo sobre leis laborais com o “interesse nacional”, dizendo não estar preocupado se tal significa um apoio às posições do PS.

“Não tenho preocupação rigorosamente nenhuma se o nosso voto é mais a favor do que o PS queria ou mais contra. O meu voto é movido por aquilo que é o interesse nacional”, afirmou Rui Rio, salientando que a proposta do Governo se baseia no acordo alcançado na concertação social entre a UGT e as entidades patronais.

Questionado se teme que a viabilização pelo PSD – através da abstenção – da proposta de lei do Governo que altera as leis laborais possa ser mal-entendida pelos eleitores ou críticos internos, Rio disse não estar preocupado com isso.

“Se estiver a dizer ‘é do Governo, logo sou contra’, isso não acrescenta nada ao desenvolvimento do país. Então se sou igual aos outros, não estou aqui a fazer nada, vem outro”, afirmou, no final de uma reunião no Tribunal de Contas (TdC), no âmbito da ronda pelos agentes da justiça que iniciou em maio.

O líder do PSD voltou a alertar o Governo que, se na discussão na especialidade, o acordo de concertação for “desvirtuado” o voto do PSD poderá mudar da abstenção para o voto contra.

No final da reunião, que demorou cerca de duas horas, Rio apelou ao “sentido de Estado e elevação” dos partidos para que seja possível uma “reforma da justiça a sério”.

“Esta é a última reunião formal e agora vamos entrar numa fase mais delicada (…) Temos de ter particular cuidado porque quero que os outros partidos possam aderir a um documento que não quero impor como meu”, afirmou.

Rio admitiu que o PSD irá “começar agora” esse trabalho com os partidos, mas sem esclarecer se se tratarão de reuniões formais ou contactos informais, nem qual será o calendário da discussão.

Rui Rio salientou a importância do TdC no “rigor das contas públicas”, quer locais quer centrais, e destacou a importância do papel do Conselho para a Prevenção da Corrupção, que funciona junto deste organismo.

Na reunião desta quarta-feira, foram debatidas matérias como os limites da responsabilidade financeira dos autarcas e projetos para a cidadania no âmbito da corrupção no ensino básico e secundário.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio justifica viabilização das leis laborais com “interesse nacional”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião