Morais Pires montou esquema que permitiu a Salgado tirar 3 mil milhões do BES

  • ECO
  • 21 Julho 2018

Morais Pires, ex-administrador financeiro do BES, é acusado de ter sido o pai de um esquema financeiro que colocou em prática, com o aval de Ricardo Salgado.

O Banco de Portugal, na acusação contra os responsáveis pelo colapso do Banco Espírito Santo (BES), aponta Morais Pires, ex-administrador financeiro do BES, de ter sido o pai de um esquema financeiro que colocou em prática, com o aval de Ricardo Salgado e o apoio de Isabel Almeida, uma diretora do BES, e que terá permitido retirar três mil milhões de euros do banco, entre 2009 e 2014.

O Expresso (acesso pago), que já na semana passada tinha revelado que o BdP acusou os responsáveis pela queda do BES, conta agora que Morais Pires “concebeu, deu instruções para a implementação e acompanhou a execução de um plano, o qual foi aprovado e acompanhado (…) por Ricardo Salgado”, através do qual o diferencial entre o que os clientes pagaram e o que o BES recebeu foi apropriado pela Eurofin, refere o documento de quase 400 páginas obtido pelo Expresso.

A Eurofin recorria a outras sociedades, como a Zyrcan, a Martz Brenan, a ECI e a ECT, para realizar as operações que eram decididas na sede do BES, em Lisboa. É convicção do BdP que, apesar de a Eurofin ser a dona daqueles veículos, eram Ricardo Salgado, Amílcar Morais Pires e funcionários do BES do Departamento Financeiro, de Mercado e de Estudos (DFME) que os controlavam e geriam.

Estas operações que foram feitas com o total desconhecimento dos outros administradores. E os ganhos foram usados “em larga medida” para “servir os interesses exclusivos do Grupo Espírito Santo (GES), sacrificando o património do BES, o dos seus depositantes, investidores e demais credores”, concluiu a acusação do BdP.

A Eurofin foi usada durante anos para, pelo menos, seis objetivos diferentes:

  • Esconder e financiar investimentos da família Espírito Santo;
  • Financiar investimentos de pessoas e entidades próximas do GES, ou seja, os amigos;
  • Esconder ativos de elevado risco de desvalorização;
  • Manipular o valor e procura das ações do BES e da Espírito Santo Financial Group (ESFG);
  • Esconder participações sociais estratégicas do GES;
  • E para pagar salários, bónus e comissões.

Estas e as outras acusações constantes neste processo já são do conhecimento do Ministério Público que tem colaborado com o BdP nas investigações a Ricardo Salgado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Morais Pires montou esquema que permitiu a Salgado tirar 3 mil milhões do BES

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião