Revista de imprensa internacional

FMI estima que PIB venezuelano caia 18%, até ao final do ano. Irão promete resposta "na mesma moeda" aos EUA. Barragem colapsa em Laos e Japão enfrenta onda de calor mortal.

Donald Trump pediu aos aliados dos Estados Unidos que parem totalmente as compras de petróleo iraniano. Em resposta, o ministro dos Negócios Estrangeiros desse país já garantiu que estas tensões podem escalar para uma resposta “na mesma moeda”. Mais abaixo, no continente americano, a Venezuela pode vir a enfrentar 1.000.000% de inflação ainda este ano. Do outro lado do globo, em Laos, um barragem colapsou e, no Japão, as temperaturas estão a bater todos os recordes. Por cá, a União Europeia vai passar a pagar aos países que acolham refugiados.

Folha de São Paulo

FMI estima que inflação venezuelana chegue a 1.000.000%

O Fundo Monetário Internacional estima que, no final do ano, a inflação na Venezuela chegue a 1.000.000%. A entidade prevê também que o país liderado por Nicolás Maduro enfrentará uma queda de 18% do PIB. “Segundo as projeções, o PIB real vai reduzir-se em aproximadamente 18% em 2018, devido à diminuição significativa da produção de petróleo e distorções generalizadas a nível micro, às quais se somam grandes desequilíbrios económicos”, sublinha o FMI, nas projeções económicas para a América Latina até finais de 2018.

Leia a notícia completa na Folha de São Paulo (acesso livre / conteúdo em português).

Reuters

Irão vai responder “na mesma moeda” aos EUA

Os Estados Unidos pediram aos seus vários aliados que deixem de importar petróleo do Irão até 4 de novembro. Em resposta, o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano garante que o país irá responder “na mesma moeda”, se a pressão continuar. “Se os EUA querem tomar um passo sério nessa direção, receberão definitivamente uma resposta na mesma linha”. As relações entre Washington e Teerão têm-se deteriorado, particularmente depois de os EUA terem decidido abandonar o acordo nuclear assinado por Obama em 2015.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre / conteúdo em inglês).

Financial Times

UE vai pagar seis mil euros por cada refugiado acolhido pelos Estados-membros

Bruxelas vai oferecer compensações financeiras aos Estados-membros que acolheram ou decidam acolher os refugiados que estejam em embarcações à deriva no Mediterrâneo. Por cada migrante, a União Europeia pagará seis mil euros. Esta proposta — que a Comissão Europeia vai publicar esta terça-feira — pretende lidar com a pressão anti-imigração sentida na Itália. Portugal — tendo recebido refugiados nestas condições, nas últimas semanas — deverá estar entre os beneficiários desta medida.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso pago / conteúdo em inglês).

BBC News

Japão enfrenta onda de calor mortal

O Japão está a registar temperaturas recorde, que já provocaram a morte de, pelo menos, 65 pessoas. O instituto meteorológico japonês já classificou esta onda de calor como “um desastre natural” e adiantou que não há previsões para a descida das temperaturas. Na segunda-feira, na cidade de Kumagaya, os termómetros tocaram nos 41,1ºC. Em Tóquio, as temperaturas andaram na mesma linha.

Leia a notícia completa na BBC News (acesso livre / conteúdo em inglês).

Sky News

Barragem em Laos colapsa. Centenas de pessoas estão desaparecidas

Uma barragem na província de Attapey, no sudoeste de Laos, colapsou esta madrugada e inundou várias regiões, deixando várias casas submersas e centenas de pessoas desaparecidas. De acordo com a agência de notícias local, a infraestrutura tinha mais de cinco mil milhões de metros cúbicos de água, isto é, o suficiente para encher duas piscinas olímpicas. As autoridades estimam que mais de seis mil pessoas tenham perdido as suas casas.

Leia a notícia completa na Sky News (acesso livre / conteúdo em inglês).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião