Polónia ajuda ganhos da Jerónimo Martins. Dona do Pingo Doce lucra 180 milhões

A Jerónimo Martins aumentou os lucros para 180 milhões de euros, suportados maioritariamente no crescimento das vendas na Polónia. Dívida líquida mais do que quadruplicou por causa dos dividendos.

Os lucros da Jerónimo Martins JMT 0,96% voltaram a subir. Entre janeiro e junho, o resultado líquido da dona do Pingo Doce cresceu 3,9% para 180 milhões de euros, revelou a empresa num comunicado enviado à CMVM. O grupo explica esta subida com uma evolução positiva das vendas em todos os mercados, sobretudo na Polónia, resultado da “implementação consistente” da estratégia definida.

Numa nota aos investidores, Pedro Soares dos Santos destaca o “forte desempenho” da Jerónimo Martins “em ambientes concorrenciais”. “As nossas insígnias mantêm-se focadas no crescimento de vendas e comprometidas a reforçarem as suas posições nos respetivos mercados”, sublinha o presidente executivo da empresa de retalho.

A Jerónimo Martins somou 95 milhões de euros de lucro no segundo trimestre do ano aos 85 milhões que tinha registado entre janeiro e março, fruto das fortes vendas no período da Páscoa. Contas feitas, a Jerónimo Martins lucrou 180 milhões de euros no primeiro semestre de 2018, número que compara com os 173 milhões de euros registados no período homólogo.

Nestes primeiros seis meses do ano, a empresa viu crescer também o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) na ordem dos 7,4%, para 446 milhões de euros.

No total, as vendas da Jerónimo Martins cresceram 8,7% com um like-for-like de 4,1%, destaca a empresa na nota remetida à CMVM. Foram 8.426 milhões de euros entre janeiro e junho. E os hipermercados da Biedronka, na Polónia, contribuíram mais para a subida, aumentando em 7,5% as vendas em moeda local, para os 5.800 milhões de euros. “Na Polónia, o ambiente de consumo permaneceu favorável”, refere a empresa. Mas deixa um alerta: “O contexto operacional manteve-se muito competitivo e houve um ligeiro aumento da atividade promocional em resposta à proibição parcial de abrir as lojas ao domingo”, indica.

Em Portugal, excluindo o combustível, as vendas like-for-like do Pingo Doce registaram “um sólido crescimento de 3,4%”. Combinado com a expansão da marca no país, o aumento das vendas foi de 4,6% para os 1.800 milhões de euros, de acordo com a Jerónimo Martins. “Em Portugal, o setor do retalho alimentar manteve-se altamente competitivo e promocional. A inflação alimentar permaneceu baixa com um valor médio de 0,8% no semestre”, destaca o grupo.

Tal como as vendas, as despesas da Jerónimo Martins também cresceram. No primeiro semestre, o grupo registou um aumento dos custos operacionais de 12%, para 1.365 milhões de euros.

Em contrapartida, a Jerónimo Martins viu a sua dívida líquida mais do que quadruplicar em termos homólogos. Passou de 84 milhões de euros no primeiro semestre de 2017 para os 367 milhões de euros no final de junho deste ano, facto que o grupo explica com o “pagamento, em maio, de dividendos no valor de 385 milhões de euros”.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h54)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Polónia ajuda ganhos da Jerónimo Martins. Dona do Pingo Doce lucra 180 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião