Dívidas dos hospitais aos fornecedores aumentam pelo segundo mês

Os hospitais estão a aumentar o valor de pagamentos em atraso a fornecedores. Depois da injeção de capital no início do ano, os hospitais voltaram a degradar a sua folha de pagamentos.

As dívidas dos hospitais aos fornecedores aumentaram 68 milhões de euros entre maio e junho, a segunda subida consecutiva depois da injeção de capital feita pelo Estado que terminou em abril. Face ao período homólogo, os pagamentos em atraso dos hospitais apresentam uma redução.

De acordo com dados da Direção-Geral do Orçamento (DGO) publicados quinta-feira, as dívidas dos hospitais aos fornecedores atingiram 773 milhões de euros em junho. Um mês antes, os pagamentos em atraso estavam em 705 milhões de euros, revelando já um acréscimo em relação a abril.

Março e abril foram os únicos meses deste ano em que se registou uma redução das dívidas em relação ao mês anterior. Foi precisamente nesses meses que o Estado entregou o capital aos hospitais-empresa. Em março, os hospitais receberam 413 milhões e o restante foi pago em abril.

Face ao período homólogo, os pagamentos em atraso apresentam um recuo. No final do primeiro semestre do ano passado, as dívidas a fornecedores estavam em 806 milhões de euros, o que significa que em junho deste ano ficavam 33 milhões de euros abaixo.

As dívidas a fornecedores são uma das preocupações do Governo, que tem sido publicamente pressionado para resolver problemas no setor da Saúde.

O Governo nomeou uma comissão para estudar as contas e a sustentabilidade do setor da saúde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívidas dos hospitais aos fornecedores aumentam pelo segundo mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião