Faturação e número de utilizadores do Facebook dececionam investidores

  • Lusa
  • 26 Julho 2018

Lucros do Facebook cresceram 31% para 5,1 mil milhões de dólares e superaram as expectativas dos investidores. Mas a perda de utilizadores e a faturação são motivos de preocupação.

Envolvida por várias polémicas nos últimos meses, a empresa da rede social Facebook dececionou os investidores, ao divulgar na quarta-feira o número de utilizadores e a faturação no segundo trimestre e preveniu que a tendência se manteria.

Durante uma conferência telefónica, os dirigentes do grupo avisaram que as tendências para a diminuição do crescimento deveriam prolongar-se no próximo trimestre, o que teve consequências negativas para a cotação do título em Wall Street.

“Este é um ano crucial” para o Facebook, comentou o seu presidente, Mark Zuckerberg.

Desinformação, manipulações políticas vindas da Federação Russa, gestão de dados pessoais: as polémicas envolvendo a Facebook sucedem-se, salientando-se a que se centra na questão dos dados pessoais, depois do escândalo Cambridge Analytica em meados de março, controversas más para a sua imagem e suscetíveis de arrefecer o entusiasmo do público e os anunciantes.

“Nós investimos de tal maneira nos nossos sistemas de segurança que isso vai começar a ter efeito na nossa rentabilidade. Vamos começar a ver isso este trimestre”, assegurou Mark Zuckerberg.

Investimos de tal maneira nos nossos sistemas de segurança que isso vai começar a ter efeito na nossa rentabilidade. Vamos começar a ver isso este trimestre.

Mark Zuckerberg

Presidente da Facebook

A Facebook revelou na quarta-feira aos investidores que, em 20 de junho, tinha 2,23 mil milhões de utilizadores mensais ativos, mais 11% do que no mesmo período do ano anterior, mas menos do que os 2,25 mil milhões de utilizadores que os analistas esperavam.

A deceção também atingiu o número de utilizadores diários ativos, que eram 1,47 mil milhões, outro crescimento de 11%, quando os investidores aguardavam 1,49 mil milhões.

Zuckerberg explicou que o número de utilizadores tinha sofrido com a entrada em vigor do Regulamento Geral de Proteção de Dados na União Europeia, no mês de maio, que reforça os direitos dos utilizadores.

O volume de negócios, constituído quase que unicamente pelas receitas publicitárias do sítio, também dececionou, ao seu situar nos 13,23 mil milhões de dólares, um crescimento de 42%, mas abaixo dos 13,36 mil milhões esperados pelos observadores do mercado.

Apesar de o grupo não ter detalhado os resultados das suas filiais, sublinhou não obstante que a sua plataforma Instagram tinha confirmado o seu forte crescimento, ao ultrapassar os mil milhões de utilizadores.

Ao contrário das outras variáveis mencionadas, os lucros da Facebook, que cresceram 31% para 5,1 mil milhões de dólares, superaram as expectativas dos investidores.

O grupo viu também as despesas, em parte devidas à necessidade de melhor controlar o que circula na rede, aumentarem 50% para os 7,44 mil milhões de dólares e a tendência é para continuarem a crescer, preveniu o grupo. Com efeito, o Facebook procura por todos os meios melhorar a sua imagem e não olha a despesas, em particular depois do escândalo em torno da Cambridge Analytica (CA).

Esta empresa britânica de análise de dados teve acesso e utilizou informações de dezenas de milhões de utilizadores do Facebook sem o seu consentimento. Depois, esta empresa trabalhou para a campanha eleitoral de Donald Trump nas presidenciais norte-americanas de 2016.

Este escândalo ou as ingerências estrangeiras nas eleições valem à rede social queixas em inquéritos no mundo inteiro e Zuckerberg já teve de se explicar perante os parlamentares norte-americanos e europeus.

A última polémica em data é da semana passada, quando Mark Zuckerberg foi violentamente criticado pela sua recusa de banir da rede os negacionistas do Holocausto.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Faturação e número de utilizadores do Facebook dececionam investidores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião