Fisco espanhol aceita acordo com Cristiano Ronaldo. CR7 vai pagar quase 19 milhões de euros

  • ECO
  • 26 Julho 2018

Para não incorrer numa pena de prisão, o jogador terá de se declarar culpado de quatro delitos fiscais.

Ronaldo fez um acordo com o Fisco espanhol no valor de quase 19 milhões de euros, depois da Autoridade Tributária dar luz verde. Para não receber uma pena de prisão, o jogador terá de se declarar culpado de quatro delitos fiscais.

Segundo a agência EFE, que cita fontes judiciais, a compensação ao Estado espanhol seria de 5,7 milhões de euros, mas o desportista terá de pagar ainda uma multa e o dinheiro gasto pelo Ministério Público na investigação. O acordo prevê então o pagamento de cerca de 18,8 milhões de euros.

O acordo para pôr fim ao processo movido contra o jogador português por alegada fuga aos impostos foi assinado pelos advogados de Cristiano Ronaldo e por representantes da administração fiscal, mas requeria ainda ratificação do Fisco, que tem agora novos responsáveis, uma alteração decorrente da mudança de Governo em Espanha.

Ronaldo, que se mudou recentemente para a Juventus, era acusado de quatro crimes contra as Finanças Públicas espanholas, cometidos entre 2011 e 2014, por ter omitido das suas declarações de rendimentos os ganhos obtidos pelos direitos de imagem.

Segundo as acusações, estes passaram por várias sociedades financeiras sediadas em offshores, criadas “conscientemente” na Irlanda e nas Ilhas Virgens britânicas. A fraude terá sido de 14.768.897 euros.

Entre as posições do Fisco e do Ministério Público existia um desacordo sobre a condenação penal por uma multa, uma vez que a agência tributária rejeitava essa possibilidade, defendendo a manutenção da condenação e que, apesar de não cumprir pena de prisão, esta conte como antecedente e o impossibilite de reincidir.

Quando foi ouvido, Ronaldo afirmou que “nunca” ocultou rendimentos, nem teve “intenção de fugir aos impostos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco espanhol aceita acordo com Cristiano Ronaldo. CR7 vai pagar quase 19 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião