Bloco de Esquerda em silêncio sobre polémica de Ricardo Robles

O Bloco de Esquerda não quer comentar a polémica em torno do vereador de Lisboa, mas a líder já retweetou as explicações de Ricardo Robles nas redes sociais.

O Bloco de Esquerda não quer comentar para já a polémica criada em torno da possibilidade de o vereador bloquista poder vir a realizar uma mais valia potencial de vários milhões de euros com a venda de um prédio em Alfama que comprou a meias com a irmã, tal como revela o Jornal Económico esta sexta-feira. No entanto, depois de Ricardo Robles se ter justificado nas redes sociais, a líder do Bloco retweetou a mensagem do vereador, logo depois.

“Para já não diremos nada“, disse fonte oficial do partido ao ECO, quando instada a comentar o caso.

Questionado pelo Jornal Económico, Ricardo Robles confirma a compra do imóvel a meias com a irmã, que terá residência na Bélgica, mas desmente que tenha havido despejo dos inquilinos. Ricardo Robles garante ainda que não existe qualquer contradição com as posições que defende relativamente ao mercado imobiliário: “Não há qualquer condição”, disse ao semanário, acrescentando que apenas um dos cinco inquilinos era residente no prédio e que este aceitou fazer um novo contrato de arrendamento, mais elevado e por oito anos.

Depois continua a sua defesa nas redes sociais: “Comprei um imóvel com a minha irmã, em 2014, como parte de um negócio de família. Absolutamente ninguém foi despejado: a única família que lá vivia, lá continua, agora com casa recuperada e contrato em seu nome, por 8 anos e renda de 170€. Todos os direitos protegidos”.

Uma mensagem que foi entretanto retweetada pela líder do partido, Catarina Martins.

Mas Catarina Martins não foi a única. Pedro Filipe Soares e Jorge Costa também retweetaram a mensagem. Por outro lado, o Twitter oficial do partido diz que Ricardo Robles desmente a notícia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloco de Esquerda em silêncio sobre polémica de Ricardo Robles

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião