CaixaBank com lucro de 1,29 mil milhões no primeiro semestre. BPI aumenta contribuição para os resultados

  • Lusa
  • 27 Julho 2018

Acionista maioritário do BPI explica que conseguiu estes resultados devido à melhoria das receitas básicas do negócio bancário, contenção de custos, redução das dotações e um maior contributo do BPI.

O grupo bancário espanhol CaixaBank, obteve lucros de 1.298 milhões de euros no primeiro semestre de 2018, um aumento de 54,6% em relação ao mesmo período de 2017, com o BPI a contribuir com 76 milhões de euros para estes resultados.

Na informação que transmitiu esta sexta-feira ao mercado, o acionista maioritário do BPI explica que conseguiu estes resultados devido, principalmente, à melhoria das receitas básicas do negócio bancário, à contenção de custos, à redução das dotações e a uma maior contribuição do BPI.

O banco português, de que é dono, contribuiu com 76 milhões de euros para o lucro total, quando no primeiro semestre do ano passado apenas tinha contribuído com três milhões para o mesmo resultado.

Se se tomasse em consideração a totalidade das empresas participadas pelo BPI, a sua contribuição para o grupo seria de 252 milhões de euros.

O CaixaBank destaca que o resultado do grupo é apoiado por um crescimento das receitas, com um aumento da margem bruta de 8,7%, para 4.654 milhões de euros, impulsionado pelo vigor das receitas “core” do negócio (4.091 milhões, +4,5%).

A rentabilidade do grupo (ROTE) sobe para 10,4%, enquanto o mesmo indicador recorrente para o negócio bancário e segurador alcança os 12%, com um resultado de 1.121 milhões de euros.

No final do primeiro semestre de 2018, os créditos duvidosos baixaram para 1.591 milhões de euros e o rácio de malparado diminui para 5,3%, quando era de 6,5% há um ano.

Os recursos dos clientes cresceram para 366.163 milhões de euros (+16.705 milhões em 2018, +4,8%) e o crédito aos clientes é de 225.744 milhões.

O CaixaBank teve um rácio “CET1 fully loaded” de 11,4%, depois do impacto extraordinário pela recompra de posições minoritárias no BPI e de 51% da Servihabitat.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CaixaBank com lucro de 1,29 mil milhões no primeiro semestre. BPI aumenta contribuição para os resultados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião