CGD vai manter a operação de retalho em França, mas fecha sucursais no Luxemburgo e Nova Iorque

  • Lusa
  • 27 Julho 2018

Além de fechar as sucursais no Luxemburgo e Nova Iorque, a Caixa vai reduzir exposição aos mercados de Cabo Verde e Moçambique até ao final de 2020, revela o Ministério das Finanças.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai manter a operação de retalho em França, informou esta quarta-feira o Ministério das Finanças, em comunicado.

O Ministério deu conta de que, no contexto das negociações com a Comissão Europeia para a atualização do plano estratégico da CGD para 2017-2020, foi “(reconhecida) a sucursal francesa como atividade relevante para a operação do grupo CGD”. Neste contexto, acrescentou-se no texto, “o banco público continuará a manter a operação de retalho em França”.

A redução da operação da CGD fora de Portugal, que incluía França, a par de Espanha, África do Sul e Brasil) foi acordada em 2017 com a Comissão Europeia como contrapartida da recapitalização do banco público.

A redução da operação da CGD acordada com a Comissão Europeia passa também pelo fecho de 180 balcões em Portugal até 2020, dos quais 70 encerram ainda este ano. Em 2017, fecharam 67 balcões, e a CGD terá ainda de fechar, além dos 70 deste ano, mais 43 balcões nos próximos dois anos.

No texto do Ministério avançou-se também que “o ajustamento da estratégia internacional da CGD considera uma redução da exposição aos mercados de Cabo Verde e Moçambique até ao final de 2020, a qual não porá em causa a presença da CGD nesses países”.

Hoje mesmo, a CGD informou, através de comunicado, que vai encerrar as sucursais em Nova Iorque e no Luxemburgo, referindo que tinham “menor expressão” e assegurando que “não deixará de cumprir as suas responsabilidades para com os trabalhadores”.

“No âmbito do Plano Estratégico [negociado com a Comissão Europeia], os encerramentos considerados incidiram sobre as sucursais com menor expressão”, segundo a nota enviada pela CGD à agência Lusa, elencando que “não deixará de cumprir as suas responsabilidades para com os trabalhadores, de acordo com o quadro legal e as boas práticas vigentes nos respetivos países”.

Em causa estão os encerramentos da sucursal em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, e das duas sucursais no Luxemburgo, uma decisão que, no último caso, afeta 23 trabalhadores, segundo informação avançada pelos sindicatos no país.

O Sindicato Bancário do Luxemburgo (Aleba) e as centrais sindicais OGB-L e LCGB criticaram a decisão, salientando, em comunicado conjunto, que “um banco que tem trabalhadores fiéis, leais e que contribuíram para a sua prosperidade decidiu fechar a sua atividade no Luxemburgo, após 21 anos de presença no Grão-Ducado”.

Da mesma forma, a situação em França estava a provocar um conflito com os sindicatos, designadamente com a central FO-CFTC, que chegou a promover uma greve que durou dois meses e meio, de 17 de abril a 30 de junho, e várias ações de protesto nas ruas de Paris.

A sucursal em França da CGD tem 48 agências e mais de 500 trabalhadores.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD vai manter a operação de retalho em França, mas fecha sucursais no Luxemburgo e Nova Iorque

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião