Revista de imprensa internacional

A Alemanha está preocupada em travar o investimento chinês e a Google está a investir em novas regras para a Play Store, com vista a potenciar a segurança na loja de aplicações.

Esta sexta-feira, os investimentos estão a marcar o dia. Na Alemanha investe-se numa das maiores operadoras de rede elétrica do país para barrar o investimento chinês da State Grid Corporate. Outro tipo de investimento faz a Google, ao criar uma nova política na sua loja de aplicações, com o objetivo de potenciar a segurança na Play Store. No Paquistão são dias felizes para Imran Kahn, o antigo jogador de críquete e líder do partido Tehreek-e-Insaf. Já em Espanha, os dias de Pedro Sanchéz já correram melhor.

Cinco Días

Podemos, PDeCAT e ERC decidem abster-se na votação do défice 

O Unidos Podemos, o Partido Democrata Europeu Catalão (PDeCAT) e a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) anunciaram que vão abster-se de votar sobre o caminho do défice e o limite máximo de gastos, na votação que terá lugar esta sexta-feira na Sessão Plenária do Congresso. Esta seria a primeira importante prova do Executivo de Sánchez para o próximo ano de 2019, no entanto, com a abstenção destes três partidos políticos, o Governo de Pedro Sánchez sofre um duro golpe. Leia a notícia completa no Cinco Días (acesso liuvre/ conteúdo em espanhol).

Bloomberg

Alemanha investe em operadora de rede elétrica e resiste ao investimento chinês

O banco de fomento alemão está a comprar uma participação numa das maiores operadoras de rede elétrica do país. O KfW vai adquirir 20% de participação na 50HErtz Transmission GmbH, no valor de cerca de 770 milhões de euros, com o objetivo de garantir a “segurança nacional” e de bloquear uma empresa chinesa. A State Grid Corporate da China já estava em negociações para também comprar 20%, no entanto o Governo alemão apressou-se, reforçando a resistência ao investimento chinês. Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso pago, conteúdo em inglês).

Les Echos

Economia francesa cresceu 0,2% no segundo trimestre

O PIB francês registou um aumento de 0,2% no segundo trimestre, de acordo com os primeiros números publicados esta manhã pelo Institut National de la Statistique et des Études Économiques (INSEE). O ritmo de crescimento foi igual ao dos primeiros três meses do ano, muito longe dos 0,7% registados no final do ano anterior. O valor também está abaixo das últimas previsões do INSEE e do Banco de França, que apontavam para um crescimento na ordem dos 0,3% no segundo trimestre do ano. Leia a notícia completa no Les Echo (acesso pago/ conteúdo em francês).

The Guardian

Imran Khan bate o ex-partido no poder

O partido do antigo jogador internacional de críquete, Imran Kahn, está a conquistar terreno no Paquistão. Os resultados oficiais do programa eleitoral do Paquistão revelaram um vitória decisiva para o Tehreek-e-Insaf (PTI), que ganhou 114 assentos assentos na Assembleia Nacional. Já o derrotado atual, o Pakistan Muslim League-Nawaz (PML-N) tem apenas 63 e, em terceiro lugar, com 43 assentos, ficou o Pakistan Peoples Party. Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre/ conteúdo em inglês).

Engadget

Há mudanças na Play Store. Não recebe mais criptomoedas

A Google fez uma atualização na política da Play Store, de onde saiu um novo conjunto de regras, criado com o objetivo de impedir a divulgação dos novos tipos de conteúdo que carece de segurança. Detetada uma secção de criptomoedas, a empresa americana proibirá o seu uso na loja de aplicações. Além disso, a gigante tecnológica também vai proibir as aplicações que atraem as crianças, mas que incluem conteúdos para adultos ou imagens e vídeos perturbadores. Leia a notícia completa no Engadget (acesso livre/ conteúdo em inglês).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião