PSD de Rio votou mais de metade das vezes com PS no Parlamento

  • Lusa
  • 28 Julho 2018

O partido de Rui Rio, esteve ao lado do PS em 52% das votações no parlamento. Já o PS alinhou mais vezes com o Bloco de Esquerda do que com o PCP e o PEV.

O PSD, liderado por Rui Rio, esteve ao lado do PS em mais de metade das votações no parlamento (52%), percentagem idêntica à dos anos em que Passos Coelho liderou o partido, indica o índice de concordância do site www.hemiciclo.pt.

Apesar de já não terem uma coligação, PSD e CDS-PP concordaram em muitos projetos, propostas de lei e resoluções, cerca de 80% das vezes, de acordo com o índice criado pelo hemiciclo, ‘site’ independente que faz uma análise estatística e escrutínio dos trabalhos dos deputados e da Assembleia da República.

Segundo as contas feitas pelo ‘site’, o índice de concordância do PSD liderado por Rui Rio está na média da taxa de concordância geral dos sociais-democratas (51%) no período em análise, desde 2008, sob a direção de Manuela Ferreira Leite, até hoje.

Quando se desdobram as votações, num total de 916 no tempo da liderança de Rio, para os projetos e propostas de lei, a percentagem baixa para 49% (em linha com os 48% do PSD desde 2008) e quando se analisam apenas as votações das matérias mais polémicas e em que não houve unanimidade, o número desce ainda mais, para uma taxa de concordância PSD-PS em torno dos 37%.

E foi o PSD que mais vezes votou ao lado do PS na aprovação de propostas de lei, 61 vezes (53,5%).

Neste índice de concordância foi Manuela Ferreira Leite a líder que menos concordou com os socialistas (43% no geral) e apenas 31% relativamente a projetos e propostas de lei.

Olhando a toda a sessão legislativa, em que o PSD foi liderado por Pedro Passos Coelho e, depois, por Rui Rio, conclui-se que os sociais-democratas acompanharam o sentido de voto dos socialistas em 29,7% das iniciativas – projetos, propostas de lei, propostas e projetos de resolução e todo o tipo de votos.

De setembro até julho, o índice de concordância do PSD ficou abaixo dos 46% (45,9%), menos do que na segunda sessão legislativa, 54,8%, e muito abaixo, 29,7%, do primeiro ano (2015/16) do Governo PS com o apoio da esquerda.

Relativamente aos seus ex-parceiros de coligação, foi nesta terceira sessão legislativa da XIII Legislatura que PSD e CDS-PP menos alinharam nas votações (73,9%), depois de ter registado 81,8% na segunda e 88,3% na primeira sessão, após as eleições legislativas de 2015.

PS e BE votaram mais vezes do que com PCP e PEV

O índice de concordância mostra ainda que o PS, partido do Governo, alinhou mais vezes nas votações ao lado do BE (54%) do que com o PCP e o PEV (53%), na terceira sessão legislativa, no parlamento.

Em 524 votações, os socialistas votaram 283 vezes com os bloquistas e 278 com comunistas e Os Verdes, os três partidos com quem firmou um acordo de base parlamentar após as eleições de 2015.

Ainda assim, de setembro de 2017 até julho, a bancada socialista alinhou votações com o PSD 241 vezes, 45,9%, de acordo com o índice de concordância deste site independente que faz uma análise estatística e um escrutínio aos trabalhos dos deputados e da Assembleia da República.

Com o CDS-PP, partido mais à direita no hemiciclo, o PS coincidiu em 40% das votações feitas.

O índice de concordância do ‘site’ Hemiciclo tem em conta as votações efetuadas na Assembleia da República – projetos e propostas de lei, projetos e propostas de resolução, apreciações parlamentares e todo o tipo de votos, de pesar, condenação e outros, que muitas vezes unem os deputados.

Por isso, os dinamizadores da página, David Crisóstomo e Luís Vargas, optaram por desagregar essas votações unânimes e nesse subíndice “sem aprovação por unanimidade” que dá nota de maiores divisões.

Olhando apenas às votações de projetos de lei no último ano parlamentar, BE e PCP votaram com o PS em 226 votações (61%), mais três do que o PEV (60%).

E, contando apenas as propostas de lei, não foi nenhum dos parceiros do PS a votar ao lado dos socialistas, mas sim o PSD o partido que mais vezes votou com a bancada do Governo – 66 vezes (53,5%).

Já os bloquistas, ainda nas propostas de lei, votaram ao lado do PS 55 vezes (48,2%), mais uma do que o PEV (54) e mais cinco do que o PCP, 50 vezes ou 43,8%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD de Rio votou mais de metade das vezes com PS no Parlamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião