CGD obrigada a fazer corte mais agressivo no malparado

  • ECO
  • 30 Julho 2018

Para manter a sucursal de França, a Caixa Geral de Depósitos optou por cortar a exposição em Cabo Verde e em Moçambique.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) estabeleceu um novo objetivo para a diminuição do peso do crédito malparado, depois das exigências da Comissão Europeia, e decidiu trocar os ativos internacionais a alienar.

O rácio de 7% tinha ficado decidido nas negociações entre o Estado e Bruxelas, mas a gestão de Paulo Macedo quer reduzir ainda mais, avança o Jornal de Negócios [acesso condicionado]. No mês passado o rácio dos empréstimos em incumprimento representava já 10,5% da carteira. Um dos objetivos do plano da CGD para 2020 será convergir com a média europeia.

Relativamente aos ativos internacionais, a CGD vai conseguir manter a sucursal de França, mas com condições impostas por Bruxelas. O valor dos ativos no estrangeiro não pode ser superior a 12 mil milhões de euros.

Para isto, o banco optou por cortar a exposição em Cabo Verde, com a venda de uma das duas entidades bancárias e, em Moçambique, onde vão reduzir a posição recentemente aumentada, apesar de se manter acima dos 50%.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

CGD obrigada a fazer corte mais agressivo no malparado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião