CGD denuncia acordo de empresa e quer acabar com progressões obrigatórias

  • ECO
  • 28 Julho 2018

A administração do banco público terá entregue aos sindicatos uma nova proposta de acordo de empresa, onde não prevê diuturnidades nem promoções automáticas.

Diuturnidades e promoções automáticas. A Caixa Geral de Depósitos pretende acabar com estas duas categorias de regalias aos seus funcionários. A notícia é avançada pelo Jornal de Negócios, neste sábado, onde diz que o banco público denunciou ao acordo de empresa terá entregue uma nova proposta aos sindicatos, onde prevê acabar com as diuturnidades e promoções automáticas. O objetivo da CGD é que as novas condições entrem em efeito a partir de 2020.

Com a denúncia, terá seguido para os quatro grupos de sindicatos a nova proposta para negociação. Tem, agora, de ser trabalhado um entendimento comum para o desenho do novo acordo de empresa.

Em causa está o processo de negociações com as federações ou sindicatos alinhados com UGT, CGTP, independentes e ainda os sindicatos da Caixa.

Um dos objectivos da CGD será aliviar os encargos com os custos com pessoal, para além da redução de pessoal que já levou a cabo, explica o jornal. O banco público tem defendido que tem um custo salarial acima da concorrência, o que leva Paulo Macedo a dizer que está em desvantagem competitiva face aos concorrentes. Daí que pretenda mexer em aspectos para lá do vencimento base.

As promoções automáticas ocorrem por antiguidade, com a subida dos níveis em que os funcionários se encontram, sendo que a CGD também tem promoções obrigatórias por mérito. Já as diuturnidades  são valores pagos por anos de serviço onde o banco liderado por Paulo Macedo também pretende mexer.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD denuncia acordo de empresa e quer acabar com progressões obrigatórias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião