Mais de 30 concelhos em risco máximo de incêndio

  • Lusa
  • 4 Agosto 2018

Mais de 30 concelhos de Portugal continental estão em risco máximo de incêndio, sobretudo no Algarve e interior Norte e Centro do país, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Mais de 30 concelhos de Portugal continental estão esta sábado em risco máximo de incêndio, sobretudo no Algarve e no interior Norte e Centro do país, segundo informação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

No Algarve estão com risco máximo de incêndio os concelhos de Monchique, Odemira, Portimão, Silves, Loulé, São Brás de Alportel, Tavira, Castro Marim e Alcoutim.

No interior Norte e Centro estão colocados em risco máximo de incêndio os concelhos de Torre de Moncorvo, Vila Nova de Foz Côa, Mêda, Trancoso, Figueira de Castelo Rodrigo, Pinhel, Celorico da Beira, Guarda, Sabugal, Penamacor, Fornos de Algodres, Gouveia, Seia, Manteigas, Covilhã, Arganil, Pampilhosa da Serra, Oleiros, Proença-a-Nova, Vila Velha de Rodão, Nisa, Marvão, Gavião, Abrantes, Ferreira do Zêzere, Vila de Rei, Vila Nova da Barquinha.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o “reduzido” e o “máximo”.

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Mais de 30 concelhos em risco máximo de incêndio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião