Morreu o advogado João Soares da Silva

Chairman da Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados morreu este domingo, vítima de doença prolongada. Tinha 65 anos.

Morreu o advogado João Soares da Silva, Chairman da Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados e coordenador do departamento de corporate e da equipa de comercial e societário e mercado de capitais. Soares da Silva Foi Presidente do júri nomeado pelo Conselho Geral da Ordem dos Advogados para apreciação dos pedidos de atribuição do título de advogado especialista em direito financeiro.

João Soares da Silva, nasceu em 27 de Fevereiro de 1953. Licenciou-se pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa a 13 de Outubro de 1975 e inscreveu-se como advogado a 25 de Junho de 1979.

As cerimónias fúnebres decorrerão na Basílica da Estrela, em Lisboa, a partir das 15h00 de hoje, dia 7 de Agosto. A missa de corpo presente terá lugar amanhã às 10h30 horas.

“É com profunda tristeza e pesar que a Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados comunica o falecimento do seu sócio fundador, Presidente do Conselho de Administração e grande advogado João Soares da Silva”, segundo comunicado do escritório.

João Soares da Silva era licenciado em Direito (1975) pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e pós-graduado em Finanças pelo CIFAG – Instituto das Participações do Estado. Frequentou o curso International Aspects of Legal Finance do Queen Mary and Westfield College da Universidade de Londres. Era ainda Certified International Director (IDP-C) pelo INSEAD.

Inscrito na Ordem dos Advogados desde 1979, foi presidente do júri nomeado pelo Conselho Geral para apreciação dos pedidos de atribuição do título de advogado especialista em direito financeiro, membro fundador do Instituto dos Valores Mobiliários, membro do ECGI – Instituto Europeu de Corporate Governance, membro do Club of Florence – Istituto Internazionale per una buona Corporate Governance, membro da INSEAD International Directors Network e membro do INSEAD Corporate Governance Center.

Enquanto advogado, João Soares da Silva foi responsável por um importante número de operações e projectos de grande dimensão e complexidade em Portugal e no estrangeiro, “sendo justamente reconhecido pela excelência e extrema elegância do seu trabalho jurídico”, segundo a mesma fonte.

Muito recentemente, publicou “A propósito de Corporate Governance e de Direito das Sociedades e dos Valores Mobiliários: escritos vários”, uma colectânea de vinte anos de estudos e reflexões sobre temas de direito das sociedades e dos valores mobiliários e corporate governance, partilhando uma experiência prática única com um conhecimento teórico admirável.

João Soares da Silva marcou várias gerações de advogados. Começou como estagiário de Miguel Galvão Teles, de quem foi aluno, e tornou-se seu sócio durante 30 anos. A história e a cultura da MLGTS “foram indelevelmente vincadas pela sua personalidade e pela sua visão sobre a advocacia, defendendo a dedicação absoluta na defesa do interesse alheio. Mas não só: João Soares da Silva deixa como legado uma marca irrepetível na advocacia nacional, onde imprimiu um estilo muito próprio e admirado, com uma capacidade estratégica notável e uma expressão de uma síntese e clareza verdadeiramente distintas”.

A sociedade partilhará as informações relativas às cerimónias fúnebres assim que possível.

Foi advogado de décadas do BCP e teve um papel fundamental na OPA do banco sobre o BPI. Um dos seus últimos trabalhos foi precisamente liderar o processo do BCP contra o Banco de Portugal e o Fundo de Resolução por causa da garantia concedida aos americanos da Lone Star na compra do Novo Banco.

Soares da Silva foi um dos primeiros advogados a introduzir o conceito de corporate governance em Portugal, destacando-se na vanguarda da prática jurídica e da investigação em M&A e mercado de capitais. Vencedor de vários prémios dos mais prestigiados diretórios internacionais, designadamente IFLR 1000, Chambers Europe, Chambers Global, Chambers 500 e Legal 500, nas áreas de corporate, M&A, bancário e mercado de capitais, nas quais é uma referência.

No final de junho, a MLGTS anunciava mudanças na sua gestão, com a eleição de um novo Conselho de Administração. João Soares da Silva manteve-se como chairman, mas não executivo.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Morreu o advogado João Soares da Silva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião