Facebook vai ser cupido: veja como vai funcionar a novidade da rede social

A nova feature do Facebook vai estar disponível dentro da rede social e está a ser testada por funcionários da empresa. Ainda não há data de lançamento.

Pedidos de amizade no Facebook podem evoluir para matches? A rede social está a testar a ferramenta de “dating“, ou seja, de encontros entre os seus utilizadores. Não será uma nova aplicação à parte, como o Tinder, mas sim uma área dentro da plataforma.

Os utilizadores não ficam automaticamente inscritos, têm de mostrar intenção de participar. Os perfis só são vistos por pessoas que também ativaram a funcionalidade, e a atividade não é partilhada no feed de notícias. Pode escolher se são sugeridas pessoas da lista de amigos ou não.

A ferramenta está a ser testada por funcionários do Facebook, que foram no entanto avisados de que não deverá servir para relações entre colegas. O site TechCrunch (acesso livre/conteúdo em inglês) teve acesso a algumas imagens iniciais de teste, que mostram o processo de inscrição.

Alguns exemplos de como será esta ferramenta.TechCrunch

Os potenciais matches vão ser recomendados com base nas preferências escolhidas, gostos e amigos em comum. As informações das funcionalidades de grupos e eventos também servirão para encontrar interesses semelhantes e pessoas que utilizam o dating.

Os perfis vão ter algumas fotos e informação básica. Se ambos mostrarem interesse e quiserem conversar, está a ser testada uma caixa de mensagens especial, separada do Messenger e WhatsApp, apesar de também poderem utilizar essas aplicações.

Como os possíveis matches são apresentados ao utilizador.TechCrunch

A principal diferença entre esta nova features e o Tinder, por exemplo, poderá ser a intenção com que as pessoas experimentam a funcionalidade, já que demonstra uma componente mais séria para relações, com uma maior preocupação com a compatibilidade.

Segundo o TechCrunch, o Facebook está também a considerar estabelecer um limite para o número de pessoas em quem se pode mostrar interesse. Nos planos ainda não estão subscrições pagas ou anúncios.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook vai ser cupido: veja como vai funcionar a novidade da rede social

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião