Centeno atira para os Ministérios responsabilidade de justificar aumento dos precários do Estado

  • Marta Santos Silva
  • 7 Agosto 2018

O PSD quis saber por que aumentou o número de prestadores de serviços no Estado, mas as Finanças dizem não saber responder: para questões do tipo, é melhor perguntar a cada Ministério.

O Ministério das Finanças não responde à questão colocada pelo PSD sobre o aumento do número de trabalhadores no Estado com vínculos precários nos últimos dois anos, referindo que as questões devem ser colocadas especificamente a cada ministério onde tenha havido aumentos.

Numa pergunta enviada ao Ministério das Finanças, deputados do PSD questionaram o Governo sobre os dados mais recentes do Boletim Estatístico do Emprego Público, publicado em junho e referente ao ano de 2017. O BOEP permite analisar a tendência de contratação de trabalhadores com vínculo de prestação de serviços, considerado precário nalgumas situações, que nos últimos dois anos, entre dezembro de 2015 e dezembro de 2017, aumentou substancialmente. Segundo refere o PSD na sua pergunta, “houve um aumento de 12.017 para 17.728 prestadores de serviços” neste período, “ou seja, um crescimento de quase 50%”.

O crescimento mais assinalável no mesmo período, acrescentam os deputados, registou-se mesmo no Ministério do Trabalho, onde o acréscimo é de 136% nestes dois anos.

No BOEP, lê-se que entre o primeiro e o segundo semestre de 2017 houve um aumento de 23,1% nos prestadores de serviços contratados pelo Estado, com particular relevância no Ministério do Trabalho, “devido ao sinal da retoma da atividade do IEFP, com a contratação maioritariamente de formadores”, com quem este instrumento é frequentemente utilizado. O relatório estatístico assinala, porém, que os valores de prestadores de serviços permanecem “muito aquém dos valores registados entre 2011 e 2015”, durante o Governo PSD/CDS.

Na sua questão, porém, o PSD refere que “combater a precariedade” incluindo através da redução “do uso excessivo dos contratos a prazo” faz parte do programa do Governo, pelo que “é do interesse público que sejam clarificadas, com celeridade, as razões para o aumento da precariedade no Estado” ao mesmo tempo que decorre o programa PREVPAP para regularizar vínculos temporários que deveriam, pela natureza do trabalho realizado, ser permanentes.

O Ministério das Finanças respondeu ao PSD referindo que as estatísticas são elaboradas pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) através dos dados reportados pelos organismos públicos pelo Sistema de Informação da Organização do Estado.

Sobre o “aumento de prestações de serviços em algumas áreas governativas”, o Ministério das Finanças aconselha que as questões “sejam colocadas diretamente às mesmas”, ou seja, por exemplo no caso dos aumentos registados no Ministério do Trabalho, que seja esta tutela a ser questionada.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno atira para os Ministérios responsabilidade de justificar aumento dos precários do Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião