Quarta-feira negra para as moedas digitais. Bitcoin afunda 9%

Regulador de Wall Street adiou decisão sobre produto associado à bitcoin, defraudando por completo as expectativas dos cripto entusiastas. Moedas digitais já perderam 600 mil milhões em 2018.

O ano de 2018 continua a trazer más notícias para as criptomoedas e a sessão desta quarta-feira vem agravar ainda mais as perdas para moedas digitais depois de o regulador do mercado norte-americano ter adiado a sua decisão quanto à aprovação de um produto financeiro associado à rainha das divisas virtuais, a bitcoin.

Basta olhar para o comportamento das principais moedas nas últimas 24 horas para se perceber como este adiamento da Securities Exchange Comission (SEC) afetou os cripto entusiastas: a bitcoin perde 8,47% para 6.546,11 dólares e mais acentuadas são as quedas da ethereum, ripple, bitcoin cash ou litecoin, que vão até 18% em alguns casos de acordo com o site Coinmarketcap.com.

Contas feitas pela agência Bloomberg apontam para perdas no valor de 600 mil milhões de dólares na capitalização de mercado das moedas digitais desde que atingiram máximos históricos em janeiro.

A SEC tem agora até 30 de setembro para “aprovar ou rejeitar, ou instaurar um processo para determinar se deve desaprovar” uma mudança nas regras da bolsa Cboe Global Markets que deverá permitir o lançamento de um EFT da VanEck Associates e SolidX Partners, disse o regulador em comunicado. O prazo inicial terminava já na próxima semana.

,

Com este adiamento, a SEC veio desapontar as expectativas dos investidores que apostavam na valorização da moeda com uma decisão favorável do regulador de Wall Street.

Os mais entusiastas das moedas virtuais estão a contar com a maior aceitação da parte dos reguladores financeiros, algo que não tem vindo a acontecer. Têm sido vários os alertas dos supervisores financeiros em todo o mundo em relação aos riscos associados a estes ativos digitais.

Em Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) por mais do que uma vez avisou os consumidores para o perigo de se investir nas criptomoedas. E, nas últimas semanas, o regulador liderado por Gabriela Figueiredo Dias avisou que vai começar a regular algumas moedas digitais e ofertas públicas de tokens (os chamados ICO).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quarta-feira negra para as moedas digitais. Bitcoin afunda 9%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião