Porto vence Paris e Barcelona e acolhe em 2019 o maior congresso têxtil mundial

  • Lusa
  • 9 Agosto 2018

Isto é "a demonstração de que o setor têxtil e vestuário português é hoje um caso de estudo internacional", disse diretor-geral da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal.

O Porto foi escolhido, em detrimento de Paris e Barcelona, para acolher em 2019 o maior congresso têxtil mundial, evidenciando o estatuto de “caso de estudo” da indústria portuguesa, “seguido atentamente” a nível internacional, segundo fonte setorial.

Em declarações à agência Lusa, o diretor-geral da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP) — a quem caberá a organização do congresso do International Textile Manufacturers Federation (ITMF), de 20 a 22 de outubro do próximo ano –, destacou que o facto de o Porto ter ganhado a disputa pela realização do evento a outras grandes cidades europeias é “a demonstração de que o setor têxtil e vestuário português é hoje um caso de estudo internacional, seguido atentamente em todo o mundo e extremamente valorizado noutros modelos de negócio”.

“A forma como conseguimos recuperar de uma crise complexa e que muitos davam como fatal julgo que nos traz imenso prestígio e notoriedade, o que se consubstancia com os êxitos de receber os grandes eventos internacionais nesta indústria para Portugal”, sustentou Paulo Vaz. É que, salientou, “em menos de dez anos a ATP conseguiu trazer para o Porto os três grandes congressos que se realizam na indústria têxtil em todo o mundo”, já que em 2012 organizou o congresso da International Apparel Federation (IAF, vestuário) e, em 2017, o da Euratex, a confederação europeia que representa as associações de têxteis e vestuário.

A realização no Porto do congresso de 2019 da ITMF representa o regresso do evento à Europa, “após nos últimos seis anos ter andado essencialmente pela Ásia”. A edição deste ano irá decorrer em setembro em Nairobi, no Quénia. “Há cerca de dois anos, sabendo que o congresso podia regressar à Europa, achámos que era uma janela de oportunidade que devíamos aproveitar e apresentámos uma candidatura para trazer o congresso para Portugal”, explicou Paulo Vaz.

De acordo com o dirigente associativo, são esperados “300 a 350 participantes” no Porto, entre empresários e gestores de grandes empresas do setor têxtil e vestuário, desde a China aos EUA. Paralelamente ao programa oficial do evento decorrerá um programa social que, segundo Paulo Vaz, irá certamente incluir uma passagem pelo Douro vinhateiro, um jantar de gala no Palácio da Bolsa e visitas a locais “obrigatórios” como as caves de Vinho do Porto ou o Terminal de Cruzeiros de Leixões.

Depois de terem atingido em 2017 um recorde histórico, aumentando 4% em termos homólogos para os 5.237 milhões de euros, as exportações portuguesas de têxteis e vestuário acumulam até junho deste ano uma nova subida, de 2%, para 2,7 mil milhões de euros, ascendendo este crescimento aos 6% nos mercados não comunitários.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Porto vence Paris e Barcelona e acolhe em 2019 o maior congresso têxtil mundial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião