Fisco espanhol devolve dois milhões de euros a Ronaldo

Por considerar que o craque já tinha pago esse valor em impostos, sem ter obrigação de o fazer, o Fisco decidiu devolver essa quantia ao craque madeirense.

O Fisco espanhol devolveu a Cristiano Ronaldo mais de dois milhões de euros, por considerar que o jogador já tinha pago essa quantia em impostos ao ceder os seus direitos de imagem ao empresário Peter Lim, sem ter obrigação de o fazer, avança o El Mundo (conteúdo em espanhol). Assim, a multa do craque passada pela Agência Tributária de Espanha reduz-se para 16,7 milhões de euros.

Em cima da mesa estava uma multa de 18,8 milhões de euros há cerca de dois meses, da qual Ronaldo já tinha pago 13,4 milhões, comprometendo-se a pagar o remanescente nas próximas semanas. De acordo com o Fisco espanhol, o craque tinha cedido a exploração dos seus direitos de imagem naquele país em dezembro de 2014 às sociedades Arnel Services, S.A. e Adifore Finance, Lda., ambas propriedade de Peter Lim.

Contudo, depois de analisar todo o processo, o Fisco considera que essa operação “não está sujeita a IVA por se tratar de prestação de serviços localizados fora do território de aplicação do imposto”, cita o jornal espanhol, não sendo o madeirense obrigado a tal. Assim, foram devolvidos a Ronaldo 2.094.200,72 euros.

O acordo com o Fisco ficará terminado quando o craque pagar totalmente os 16,6 milhões de euros e se declarar culpado dos quatro delitos fiscais perante a Audiência Nacional, aceitando uma pena suspensa de dois anos de prisão.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco espanhol devolve dois milhões de euros a Ronaldo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião