Quanto custou a casa mais cara vendida este ano no país?

Apesar do metro quadrado na zona metropolitana de Lisboa ascender aos 2.581 euros, as áreas desta penthouse ultrapassam largamente esse valor.

Numa altura tão positiva para o mercado imobiliário português, comprar casa em território nacional custa, em média, 950 euros por metro quadrado, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Um valor que aumenta para 2.581 euros por metro quadrado se a vontade for viver na capital. Contudo, há imóveis cujos preços ultrapassam largamente esses níveis, como é o caso deste apartamento na Rua Castilho. Foi a casa mais cara vendida no país este ano, considerando o preço por metro quadrado.

Com uma área que ultrapassa os 500 metros quadrados, e situado no topo do número 203 da Rua Castilho, em Lisboa, esta penthouse ocupa os pisos 12.º, 13.º e 14.º do edifício Castilho. Está prestes a ser vendida a um investidor britânico por um total de 12,5 milhões de euros, revelou ao ECO José Cardoso Botelho, diretor executivo da Vanguard Properties, responsável pelo imóvel. Como explicou, o metro quadrado ronda os 22 mil euros. “Provavelmente é o apartamento mais caro do país [em termos de metro quadrado]”, diz.

Conforme se lê na brochura do edifício onde está inserido o apartamento, este “define um novo padrão de luxo na capital”. “A procura tem sido bastante elevada para este tipo de edifício exclusivo com apenas 20 apartamentos. “A procura claramente excede a oferta e as nossas melhores expectativas. Lisboa logra captar clientes que pagam o preço por produtos marcadamente exclusivos em termos de localização, qualidade da arquitetura e dos acabamentos. Sempre acreditámos que haveria procura por produtos especiais”, explica o responsável.

“O design de arquitetura contemporânea, as varandas suspensas sobre o parque Eduardo VII, a qualidade dos acabamentos ou o serviço de concierge são algumas das características que fazem deste condomínio um dos mais exclusivos da capital”, lê-se na brochura do edifício. O futuro proprietário do apartamento terá direito a um terraço com 260 metros quadrados (no 14.º piso) com piscina privativa e “vistas de cortar a respiração”, para além de acesso a estacionamento privativo, spa e a duas piscinas em zonas comuns — uma interior (rés do chão) e outra exterior e com solário (8.º andar).

Quanto custa produzir uma bola de Berlim? Os portugueses bebem muita cerveja? Quanto ganha um motorista da Uber? E um presidente de junta? A quem é que Portugal deve mais dinheiro? 31 dias e 31 perguntas. Durante o verão, o ECO preparou a “Sabia que…”, uma rubrica diária para dar 31 respostas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quanto custou a casa mais cara vendida este ano no país?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião