Há quase 2.000 processos disciplinares contra médicos por decidir

  • ECO
  • 13 Agosto 2018

Nos últimos cinco anos e meio, foram condenados 290 médicos na sequência de processos disciplinares. Estas condenações traduziram-se em 37 suspensões e cinco expulsões.

No primeiro semestre do ano, os três conselhos disciplinares da Ordem dos Médicos abriram 563 processos disciplinares contra médicos, revela esta segunda-feira o Público (acesso condicionado), ou seja três por dia. Estes processos vêm aumentar o conjunto de casos que ainda estão em análise — 1917 queixas ainda por decidir e que transitaram de anos anteriores.

“O relator faz a sua análise, se achar necessário pede informações aos intervenientes, a colégios da especialidade e é isso que está a acontecer agora”, sublinha o presidente do conselho disciplinar do Sul, Carlos Pereira Alves, citado pelo Público, justificando assim que até nos casos mais mediáticos, os processos seguem “o trajeto normal”. “Não há processos mediáticos ou não-mediáticos”, acrescentou.

É o caso do médico Manuel Pinto Coelho que, em entrevista ao Expresso, sugeriu que os doentes para combater o colesterol deveriam ingerir água do mar diluída, expor-se ao sol sem protetor e não consumir estatinas. Declarações que lhe valeram um processo disciplinar, assim como ao cirurgião Gentil Martins que defendeu que a homossexualidade era “uma anomalia”.

Para Carlos Pereira Alves, o tempo que os processos levam a decidir depende da sua complexidade.

Os dados da Ordem dos Médicos, citados pelo Público revelam ainda que das várias centenas de processos abertos pelos três processos disciplinares nos últimos cinco anos e meio, mais de três mil foram arquivados e 290 deram origem a condenações. Estas condenações traduziram-se em 37 suspensões e cinco expulsões. Por outro lado, é possível concluir que a maior parte das queixas está concentra a sul (1348), seguida do centro (407) e do norte (162).

E o que motiva as queixas? São várias as razões: desde reclamações relacionadas com a organização dos serviços até situações de alegada negligência médica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há quase 2.000 processos disciplinares contra médicos por decidir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião