PSD denuncia “falta de coordenação” no combate ao incêndio de Monchique. Critica “falta de recato” do Governo

Para o PSD, os trabalhos de combate ao incêndio de Monchique sofreram de "falta de coordenação e estratégia". David Justino acusa ainda o Governo de "falta de recato e humildade".

O combate às chamas que lavraram em Monchique, no Algarve, sofreu de uma “evidente falta de coordenação e estratégia”. Quem o diz é David Justino, vice-presidente do PSD. Esta manhã, em declarações aos jornalistas transmitidas pela RTP3, o político aproveitou para criticar a “falta de recato e humildade” do primeiro-ministro e acusar o Governo de “grande precipitação”, até porque a época de fogos ainda agora começou e ninguém sabe “o que nos espera”.

“Se para o Governo está tudo bem, o que será então quando tudo correr normalmente? Será de temer o pior. Este Governo não tem ambição de fazer bem, contenta-se com o mal, sugerindo sempre que poderia ter sido pior“, salientou Justino, considerando despropositadas as “manifestações de júbilo e de vitória” feitas pelo Executivo face à ausência de vítimas mortais.

O social-democrata acusou ainda o Governo de “falta de recato, humildade e uma grande precipitação”, notando que a época de fogos ainda agora começou (já que o país está a viver um Verão tardio) e que, portanto, não se sabe o que “nos espera”.

Ainda nesse sentido, o vice-presidente do PSD deixou um recado ao Executivo: “Concentrem-se mais em resolver os problemas do país e menos em fazer campanha eleitoral, que ainda vem longe”.

Quanto aos trabalhos de combate ao incêndio de Monchique, David Justino denunciou uma “falta evidente de coordenação e estratégia”, referindo que apesar de não terem faltado meios, nem todos foram usados eficientemente. “Houve estratégia de comunicação a mais e estratégia de combate a menos”, atirou ainda David Justino, referindo-se às fotografias do primeiro-ministro nas redes sociais a demonstrar que, mesmo de férias, António Costa estava a acompanhar o desenrolar dos acontecimentos em Monchique.

Por fim, o vice-presidente do PSD mostrou-se “disponível” para “encontrar soluções”, “agilizar processos” e “viabilizar medidas” para evitar prolongar o sofrimento das populações. É importante que “a burocracia não atrase o que tornou urgente”, acrescentou o político.

“Saibamos sem triunfalismos evitar que se multipliquem as ditas exceções”, concluiu Justino em referência às declarações de António Costa, que disse que este incêndio foi a exceção que confirma o sucesso do trabalho que tem sido feito.

O incêndio que lavrou em Monchique, no Algarve, foi dominado na sexta-feira, oito dias depois de ter começado. No total, foram afetados mais de 28 mil hectares, o que coloca Portugal no topo dos países da Europa com mais área ardida. No último balanço feito, o número de feridos foi atualizado para 41, um em estado grave. Entre os feridos civis, 22 são bombeiros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD denuncia “falta de coordenação” no combate ao incêndio de Monchique. Critica “falta de recato” do Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião