Portugal é o terceiro país da União Europeia com mais trabalho temporário

Depois da Polónia e de Espanha, Portugal é o Estado-membro da UE com maior percentagem de trabalho temporário. Na última década, este tipo de empregos aumentou significativamente no espaço europeu.

Na última década encontrar um emprego permanente tornou-se significativamente mais difícil. Segundo os dados divulgados, esta segunda-feira, pelo Eurostat, a percentagem de trabalhos temporários na União Europeia passou de 11,2% em 2002 para 13,4% em 2017. Depois da Polónia e de Espanha (ambos com 26%), Portugal é o Estado-membro que oferece mais empregos deste tipo aos seus cidadãos (21,5%), o que representa uma subida de 0,9 pontos percentuais em relação a 2002.

Do outro lado do espetro, a Roménia (1%), a Lituânia (2%), a Estónia e a Letónia (3%) são os países europeus com menos trabalho temporário.

“O crescimento do trabalho part-time representa outra mudança significativa nas condições de trabalho”, acrescenta ainda o Eurostat. No que diz respeito às ocupações a meio tempo, a média comunitária passou de 15% em 2002 para 19% em 2017. Neste quadro, é também importante notar que este tipo de emprego é mais comum entre as mulheres (31%) do que entre os homens (8%).

Quanto à variação por Estado-membro, Holanda (47%), Áustria (28%), Alemanha (27%), Bélgica e Reino Unido (ambos com 24%) foram os países com mais trabalho part-time. Por outro lado, é na Bulgária (2%),Hungria (4%) e Croácia (5%) que menos empregos neste regime são oferecidos.

Em Portugal, a percentagem de trabalho a tempo parcial (8,6%) fica abaixo da média europeia. Depois de se ter atingido os 11% em 2012 — o máximo nacional desde 2002 — a tendência tem sido a redução dos empregos part-time, continuando-se, contudo, ainda acima da percentagem registada em 2002 (8,4%).

Neste sentido, recorde-se que, em julho, o Fundo Monetário Internacional divulgou um relatório, no qual não só identificou Portugal como um dos países da UE onde o desemprego jovem mais recuperou desde a crise, mas também salientou que o predomínio do trabalho em regime part-time (a maior parte das vagas oferecidas aos jovens são ainda deste tipo) dificultou esse processo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal é o terceiro país da União Europeia com mais trabalho temporário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião