Jerónimo de Sousa: Portugal ainda não tem resposta para problemas que se agravam

  • Lusa
  • 15 Agosto 2018

"Não tem resposta para os nefastos e graves problemas económicos e sociais decorrentes do domínio pelos monopólios nacionais", disse o secretário-geral do PCP.

O secretário-geral do PCP afirmou esta quarta-feira que Portugal “ainda não tem a resposta de que precisa para os problemas que se mantêm e agravam”, permanecendo um país “amarrado aos interesses do grande capital”.

Não tem resposta para os nefastos e graves problemas económicos e sociais decorrentes do domínio pelos monopólios nacionais e, principalmente, estrangeiros sobre setores estratégicos nacionais”, disse Jerónimo de Sousa, ao intervir no Convívio de Verão do PCP, em Monte Gordo, em Vila Real de Santo António, Algarve. Nas suas palavras, esse domínio promove a transferência para o estrangeiro das alavancas essenciais ao desenvolvimento nacional, põe fora do país milhares de milhões de euros em dividendos, que seriam recursos nacionais, e é fonte de agravada exploração do trabalho.

“Problemas que persistem no plano social e que se manifestam em profundas desigualdades sociais que permanecem vivas na realidade portuguesa, com a política de contenção dos salários, na insistência numa legislação laboral favorável à exploração e ao emprego precário e sem direitos, em que o acordo subscrito entre o Governo PS e alguns parceiros sociais assume particular gravidade”, prosseguiu o líder comunista.

No seu entender, os desenvolvimentos recentes na política portuguesa mostram uma situação política nacional marcada pelas “contradições inerentes às opções do PS e do seu Governo minoritário, de onde se releva uma crescente convergência com PSD e CDS para garantir o essencial da política de direita em matérias e áreas nucleares da ação governativa”.

Nessa política de direita, alertou, sobressaem as medidas referentes à política laboral, o “apoio de milhões ao setor financeiro”, a transferência de competências para as autarquias, “apresentadas sob a falsa e equívoca designação de descentralização”; e o próximo Quadro Financeiro da União Europeia, “com uma orientação e concertação comuns em relação aos elementos estratégicos de aprofundamento da integração capitalista, responsável pelo desenvolvimento desigual, injusto e assimétrico da União Europeia”.

“Contradições que impedem a resolução de muitos dos problemas nacionais, impossibilitam as opções de investimento público indispensável ao desenvolvimento do país e limitam a resposta às preocupações e aspirações dos trabalhadores e das populações“, disse Jerónimo de Sousa, notando que as contradições se manifestam nos planos político, económico e social.

“Desde logo no plano económico entre uma política de elevação de direitos, salários e rendimentos que podia, se assumida como estratégica, assegurar um crescimento económico mais substancial e um desenvolvimento sólido e, por outro, a opção de manter o país amarrado às imposições da União Europeia e aos seus instrumentos de ingerência que limitam e impedem a resposta plena aos problemas nacionais”, precisou.

O líder comunista criticou ainda a política de subfinanciamento de serviços públicos ditada pelos juros da dívida pública e pela obsessão pelo défice, numa opção de “desabrida, acelerada e cega redução”. A propósito, assinalou que os serviços públicos continuam com falta de trabalhadores, de equipamentos e de investimento, com consequências na resposta às populações.

Jerónimo de Sousa realçou que o PCP defende uma política que valorize o trabalho e os trabalhadores e que não se mantenha submetida aos interesses do grande patronato e da sua estratégia de exploração, permitindo-lhes o recurso à precariedade, aos baixos salários, à desregulação de horários e à liquidação de outros direitos, acumulando lucros.

Uma política que assegure o controlo de empresas e setores estratégicos indispensáveis ao desenvolvimento do país, necessários à prestação de serviços essenciais e à própria afirmação da soberania”, preconizou, congratulando-se, contudo, com os avanços obtidos, já na atual governação, na recuperação de salários, na valorização de reformas, pensões e prestações sociais, no desagravamento fiscal sobre os rendimentos do trabalho e na reposição e recuperação de um conjunto de direitos extorquidos no período da ‘troika’.

Para o PCP, estes são “avanços que a atual correlação de forças na Assembleia da República favoreceu” e “conseguidos mesmo contra a vontade do Governo minoritário do PS”. Apesar disso, está-se “longe das soluções que a concretização de uma verdadeira política alternativa patriótica e de esquerda poderia garantir”, sublinhou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo de Sousa: Portugal ainda não tem resposta para problemas que se agravam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião