França tem o maior número de camas em alojamentos turísticos

O Eurostat divulgou o ranking dos países com o maior número de camas em alojamentos turísticos. Em 2016, França liderou o pódio, Itália ocupou o segundo lugar e Espanha o terceiro.

França é o país da União Europeia que regista o maior número de camas em estabelecimentos de alojamento turístico. De acordo com o Gabinete de Estatísticas europeu em causa estão 5,1 milhões de camas, ou seja, 16,4% do total da União. Logo a seguir, o país com maior número de camas foi Itália, com 4,9 milhões (15,8% do total da UE). Espanha ocupou o número três do pódio devido aos 3,5 milhões de camas ou 11,2%. Os dados são referentes a 2016.

Ao todo, no ano de 2016, a UE teve disponíveis 31,4 milhões de camas nos alojamentos turísticos, desde hotéis ou outras acomodações de curta duração a parques de campismo.

Em Portugal, em 2016, havia cerca de 567,8 mil camas em alojamentos turísticos, um aumento de 16,1 mil camas quando comparado ao período homólogo. De 2015 para 2016, os países que registaram um decréscimo no número de camas foram Espanha, Alemanha, Holanda, Grécia, Bélgica, Eslováquia, Chipre e Luxemburgo.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), Portugal tem vindo a registar um aumento no número de alojamentos turístico, ao longo dos últimos cinco anos. Por exemplo, em 2012, havia 2.028 estabelecimentos deste tipo, mas em 2017 já era 5.840. Estes valores registam uma subida ainda maior se se tiver em conta a totalidade das unidades de Alojamento Local, já que o INE só contabiliza as que apresentam dez ou mais camas. Estas estatísticas, reveladas a se, precisam que, em julho 2017, “havia 5.840 estabelecimentos em funcionamento com uma capacidade de 402,8 mil camas”, um aumento face ao mesmo período do ano passado de 5,8%, “considerando o setor de alojamento turístico (hotelaria, turismo no espaço rural e de habitação e ainda o alojamento local)”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França tem o maior número de camas em alojamentos turísticos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião